Alexandre Andrada Profile picture
Torcedor do Sport Club do Recife. Professor do Departamento de Economia da UnB. Escrevo coisas sobre economia e política.
4 Oct
1/3
Críticas construtivas

1 - A industrialização e o protecionismo não começam com Vargas em 1930

2 - Vargas não tinha a "sociedade" atrás de si em 1930, muito menos em 37 (tinha parte, como parte tinham outros projetos políticos)

www1.folha.uol.com.br/opiniao/2020/1…
2/3
3 - Como casar a ideia do Brasil ter se tornado "neoliberal" de 1980 pra cá, com o aumento significativo do estado e da proteção social desde então?

4 - O que é esse "projeto nacional"? É o fazer as vontades da FIESP? É desvalorizar o câmbio? É fazer déficit orçamentário?
3/3
5 - A mim me parece que para os desenvolvimentistas, tudo o que dá certo é desenvolvimentismo. Se não deu certo, é pq não foi desenvolvimentista o suficiente. E liberalismo é tudo o que dá errado (mutatis mutandis, liberais argumentam do mesmo jeito)
Read 4 tweets
30 Sep
1/n Breve história da dependência do Estado brasileiro em relação ao mercado:

Nos anos 1950, inexistia mercado de dívida pública e o fluxo de capitais estrangeiros pra cá era minúsculo. Quando o governo queria dinheiro, ele simplesmente rodava a máquina de imprimir cruzeiros
2/n Era o que se fazia no tempo de JK, por exemplo. O custo era termos uma inflação alta, mas o governo pouco dependia do "mercado". Políticas "ortodoxas" só eram implementadas quando ficávamos sem dólares, e precisávamos do $$ do FMI
3/n Durante a Ditadura, criou-se um mercado de dívida pública mais robusto. Mas como o governo era poupador líquido, sua dependência em relação ao "mercado" nacional era pequena. Além disso, a máquina de imprimir cruzeiros tbm era posta pra funcionar...
Read 9 tweets
30 Sep
É essa a realidade. O "mercado" (financeiro) insta o gov a agir de tal modo. Se o governo não o faz, vem a punição, câmbio desvalorizado, maior expectativa de inflação, maior percepção de risco... O que torna a volta pra trajetória "mercadológica" ainda mais custosa.
Relação credor/devedor não é só uma questão de partidas dobradas, é uma questão de poder. Um manda, o outro obedece. E quanto maior a dívida pública, maior a dependência do Estado em relação ao mercado. E veja que os gringos já não compram mais nossa dívida (virtualmente)...
...logo, a dívida é alta, crescente, e está nas mãos do "mercado" nacional.

Se Bolsonaro inventar de fazer contabilidade criativa pra pagar os $300, o caldo vai entornar.

Melhor seria aumentar a carga tributária. Mas aí o custo junto ao Congresso e o povo será enorme
Read 4 tweets
26 Sep
A cultura do like e do acúmulo de seguidores está levando muita gente a abandonar a ciência em favor da frase de efeito para ser compartilhada em massa

Economia estuda decisões públicas e privadas diante da escassez Supor que não existe escassez é fechar os olhos pra realidade
E aqui não é uma questão de ortodoxos, liberalismo

Quando os russos faziam os planos quinquenais, eles precisavam escolher o de aplicar os recursos escassos da sociedade

O COVID não acabou com problema da escassez
Estamos vendo economistas sérios repetindo o discurso de candidato a vereador "mais saúde, mais emprego, mais educação, mais escolas, mais..."
Read 4 tweets
24 Sep
Influencer nervosos pq perderam seguidores por conta de um coiso aí do twitter

Se vc se preocupar com a perda de seguidores, vc começa a praticar a auto-censura, o que é horrível

Sei que tem opiniões que dou que fazem um monte de gente deixar de me seguir.

Paciência.
Aliás, é assim que funciona a radicalização

Quando você começa a ser seguido por um nicho, começa a saber o que atrai e o que espanta seguidores. Vc não só pára de tocar em temas espinhosos, como tende a se radicalizar as opiniões preferidas da bolha.
Quando comecei a escrever pro HuffPost, em outra era geológica, eu sabia:

1 - falei mal do PSDB-Bolsonaro: eu era um gênio!

2 - falava mal do PT: xingavam até meu primeiro antepassado, dos tempos da sopa primordial
Read 4 tweets
24 Sep
Alfred Cowles, que batiza a Cowles Foundation (cuja sede era na Univ do Colorado, depois Chicago e hoje em Yale) desistiu de dar dinheiro pra economista pq se convenceu que a disciplina não era séria
Gastou um monte de $ pros caras preverem o mercado pra ele, e só tomou na cabeça
Aí os economistas, para fugirmos da vergonha, desenvolvemos teorias do "mercado eficiente" e "expectativas racionais", que dizem, ao fim e ao cabo, que seu Zé das Couves e o Prêmio Nobel especialista em finanças sabem a mesma coisa sobre o funcionamento da economia.
Isto é, nada.
Economista do mercado é uma "Betina" com verniz acadêmico

É um "top 3" que saber citar papers do Journal of Monetary Economics
Read 4 tweets
22 Sep
Pobre idoso.
O Brasil mais importa que exporta pra Alemanha.
Vendemos café pra eles, compramos produtos químicos, farmacêuticos... Baita retaliação...
Importações brasileiras vindas da Alemanha Image
Exportações do Brasil pra Alemanha Image
Read 4 tweets
22 Sep
Quanto mais eu estudo a República Velha, mais eu me convenço de que a ideia de que tudo era atraso e foi Vargas quem trouxe a modernidade para o Brasil, uma grande balela.

Não que Vargas não tenha sido importante, mas a Rep. Velha era muito mais que café e cabresto.
Imagem de uma manifestação de trabalhadores na praça da Sé, por conta dos mortos no movimento de 1917 Image
Tipo de coisa que os jornais proletários publicavam na época. Ou seja, a sociedade brasileira se sofisticava, surgiam novos grupos de pressão, havia liberdade de imprensa... O Varguismo não inventou o trabalhador brasileiro, nem as classes médias. Image
Read 5 tweets
18 Sep
No Brasil houve um tempo em que ser chamado de liberal era palavrão, era sinal de ser elitista, autoritário. Até o PFL mudou de "liberal" para Democratas
Aí veio a moda liberal-católico-conservador-auatríaco
Depois de tantos Constantinos, Holidays, Liberal volta a ser xingamento
Olhando o liberalismo Mimimises, Olavista, Bolsonarista, Guedista, a gente consegue entender

Mas lembremos das aulas de conjuntos do colégio. O liberalismo escroto está contido no liberalismo, mas não o contém

Assim como o Stalinismo está no socialismo, mas não o contém
Ser liberal, na minha opinião, é apoiar a democracia constitucional contra qualquer outro regime tentado, como melhor forma de resolver os conflitos políticos
E o mercado, regulado quando preciso, como a melhor forma de alocar os recursos escassos da sociedade
Read 5 tweets
14 Sep
Aula relâmpago de Economia Brasileira pra molecada:

Até meado dos anos 1980 a Coreia do Sul era um país mais pobre que o Brasil em termos de PIB per capita. Hoje eles são 2,5 vezes mais ricos que nós.

O que o Brasil fez de errado?
Entre 1980 e 1994, o PIB per capita brasileiro ficou estacionado nos US$ 8,3 mil. Ou seja, não saímos do lugar durante quase uma década e meia. Essa período é conhecido como a "década perdida".

E o que provocou a crise dos anos 1980, afinal?
O governo Ernesto Geisel resolveu apostar no endividamento externo para financiar um projeto de nacional-desenvolvimentismo, de substituição de importações, criação de novas exportações e mudança da matriz energética do Brasil, reduzindo a dependência do petróleo.
Read 14 tweets
14 Sep
Eleição pra prefeito do Recife vai ser briga de motosserra no escuro
Triste ver que Daniel Coelho, que surgiu como um camarada da "direita moderna", do PV, do PSDB, há muito tempo virou arrimo do Bolsonarismo da pior qualidade.
Como se tivesse Bolsonarismo que não fosse da pior qualidade... Perdoem a redundância
Read 4 tweets
14 Sep
Ideologia é uma coisa tão forte, que diante da minha crítica às "igrejas" do pensamento econômico brasileiro, camarada vem usar argumento de autoridade citando um autor alemão, racista, que escreveu na década de 1840, quando nem dados de PIB existiam.
Não é que todo nacional-desenvolvimentismo seja ideologia sem base científica, mas esse comportamento de fechar totalmente os olhos pra outras evidências e se apegar a um autor de quase 200 anos, é sinal dessa "religiosidade"
É a mesma coisa de "liberal" que usa como argumento de autoridade passagens de Mises, Hayek Friedman, com argumentos, hipóteses, ideias afastados por exercícios empíricos mais recentes e sofisticados
Read 4 tweets
13 Sep
Desde pelo menos o final do Estado Novo (Simonsen x Gudin) que "liberalismo" e "nacional-desenvolvimentismo" prometem que vão salvar o Brasil

São gerações de economistas que se agarram a um rótulo desses, como se eles fornecessem todas as respostas do mistério do desenvolvimento
O nacional-desenvolvimentismo recente tem seus esqueletos no armário:

Falharam: as campeãs nacionais, indústria naval, o protecionismo ao setor automobilístico, fábricas de semicondutores, as empresas nacionais de celular/computador (Positivo e Multilaser) são uma piada
Nosso liberalismo só tem servido pra enganar otário e massacrar pobre

Foi assim com Gudin na Fazenda, com Bilhões-Campos, com a retórica de Collor, com o Banco Central de FHC no câmbio 1:1, nessa coisa ridícula de Guedes e sua turma de austríacos de shopping center
Read 5 tweets
7 Sep
1/4 Nos anos 90, com o fim o fracasso do "socialismo realmente existente", vários partidos de esquerda abandonaram as teses socialistas, de controle dos meios de produção, em favor da social-democracia...
2/4 O colapso da URSS, a abissal diferença de desenvolvimento econômico e humano entre as duas Alemanhas e as duas Coreias, pareciam a prova definitiva de que o "socialismo" cobrava um preço muito alto em termos de liberdade, para entregar um benefício econômico duvidoso...
3/4 Mesmo hoje vemos partido de esquerda avançando pautas importantes na questão do meio ambiente, do respeito à diversidade, do acolhimento de imigrantes, de redução das disparidades de renda, etc
Read 4 tweets
2 Sep
1/N Princípio do Dano de Stuart Mill, traduzido pra liberal JUMENTO brasileiro: "Você é livre pra fazer o que você quiser, filha da puta, desde que não provoque danos diretos em terceiros".

Quer fumar Marlboro sem filtro? Fume, mas longe dos outros
2/N Quer beber cachaça até morrer? Beba, mas não pegue o carro pra dirigir

Não quer tomar vacina ou usar máscara? Então vai morar no meio do deserto ou no alto da montanha, pra não contaminar os outros, fi de quenga.
Entendeu, desgraça do demônio?
Read 4 tweets
1 Sep
1/n Sobre a história do @BancodoBrasil @BTGPDigital e @luisnassif

Um FIDC (Fundo de investimento de direitos creditórios) do BTG arrematou por 300 milhões uma carteira do Banco do Brasil de créditos "podres" cujo valor legal era de 3 bilhões...
2/n Um FIDC funciona como um banco que desconta duplicatas. Imagine que vc é uma empreiteira que vendeu um apt financiado em 20 anos pelo valor final de 100 mil reais. Vc pode não querer carregar esse crédito por 20 anos. O risco é grande, você precisa de liquidez...
3/n Você pode vender esse recebível pra alguém, pro BTG p.ex. Ele compra esse papel de 200 mil por 100 mil. É bom pra vc (se livra do risco e fica com liquidez), é bom pra ele (está comprando algo que custa 200 por 100)...
Read 9 tweets
14 Aug
Se sair o tal "renda Brasil" dando $200 a mais que a média do bolsa família e abarcando mais 10 milhões de pessoas, vai ser muito difícil tirar a reeleição de Bolsonaro.
O auxílio emergencial, independente se os méritos são do governo ou do Congresso, foi um programa bem desenhado, dada a gigantesca abrangência e o pouco tempo para implementa-lo

Os $600 zeraram (estatísticas ente) a extrema-pobreza no país

Não tem mistério
Confesso que achava que as mortes e os Queirozes seriam suficientes pra equilibrar a balança. Essa melhora forte na avaliação me surpreendeu
Read 4 tweets
9 Aug
Se Bolsonaro implementar o renda Brasil, pagando $ 100 a mais que o bolsa família e incluindo mais 10 mi de pessoas. A coisa pode ficar difícil pra oposição.

Juntando conservadorismo religioso, moral, com assistência social de peso, ele pode conquistar uma base nova e ampla.
O problema seria perder a classe média anti "bolsa esmola". Mas pra quem já rifou Moro (o super homem da turma até outro dia) e está se abraçando com o "centrão", isso seria perfumaria. Sai na urina.
Read 4 tweets
5 Aug
A entrevista de Flávio Bolsonaro pro jornal @JornalOGlobo é uma jóia da literatura fantástica latino-americano. O Nobel vem.

(Quando a estratégia de defesa é achar que todo mundo é idiota... significa) Image
Impressionante toda sorte de dificuldade que os Bolsonaros enfrentam para ir ao banco

Parece uma maldição mitológica, em que nossos heróis são impedidos pelo caprichos do Olimpo

Porém, protegidos pela fortuna, têm sempre um amigo disposto a quebrar o galho
Outro trecho pra degustação das amigas e amigos: os Bolsonaros não sabiam do paradeiro de Queiroz, e Wassef o abrigou por solidariedade com um companheiro de infortúnio no câncer.

Chega me emocionou aqui... Image
Read 4 tweets
4 Aug
1/2 De Paul Krugman no NYT hoje "The Covid recession that began in February may have been the simplest, most comprehensible business downturn in history"

De fato, essa recessão é a "menos capitalistíca" e das mais compreensíveis da história recente
2/2 Isso pq seu impulso inicial - o vírus - é totalmente exógeno ao "organismo" do mercado. Não é uma crise originada do excesso de crédito, de mania especulativa, de superprodução, de choque tecnológico. É uma crise "das civilizações bárbaras" diria um "economista burguês"
Aqui a famosa passagem do Manifesto Comunista, em que Marx e Engels explicam as crises como originárias da "superprodução", da "anarquia da produção". É uma teoria frágil, tanto que n'O Capital ele apresenta outras melhores. Mas ficou famosa, de todo jeito. Image
Read 5 tweets
27 Jul
Do "panis et circenses" do Brasil do século XXI, destacam-se os espetáculos oferecidos pela Polícia Federal

Pouco importa se o camarada, depois de uma longa batalha jurídica, se prove inocente

Ficará para sempre maculado, rendendo algumas horas de transmissão ao vivo pela TV
Tanto a imprensa quanto o judiciário são capazes de destruir a reputação de uma pessoa inocente, basta apresentar uma acusação qualquer (ninguém é condenado por denunciação caluniosa nesse país)

Vc que tome cuidado para não passar pelo caminho de nenhuma dessas duas instituições
O reitor da UFSC, por exemplo, ainda que inocente, não conseguiu suportar imaginar sua vida seguindo normalmente depois da humilhação sofrida. Matou-se.

Mas pra (parte) da imprensa e do judiciário: foda-se, cada um com seus problemas.
Read 4 tweets