Profile picture
sidney Andrade @DeriDevio
, 214 tweets, 18 min read Read on Twitter
Vou brincar diferente. Pra cada like nesse tweet, vou responder com uma atitude capacitista que as pessoas cometem e não percebem. (PS: sou cego, se vc caiu aqui sem saber)
1. Você acha que a PCD (pessoa com deficiência) precisa de sua ajuda, mesmo antes de perguntar a ela se precisa.
2. Você ajuda a PCD sem perguntar se ela precisa de ajuda, tomando a atitude que você julga ser a melhor pra ela.
3. Você se sente insultado quando oferece ajuda a uma PCD e ela recusa. Não, nem sempre a gente quer ser ajudado.
4. Você assiste filmes, palestras, lê textos ou ouve depoimentos de PCDs para se inspirar, se motivar, achar que se PCDs conseguem, você também pode.
5. Você fala pra uma PCD: poxa, tanta gente sem problema que vive reclamando da vida, né... Eu também reclamo da vida, porra!
6. Você olha pra a PCD e a admira pela força de vontade, pela coragem, pela insistência. "São os heróis da vida real".
7. Você olha pra a PCD e pensa: "Coitada, nunca vai ser feliz, mas faz o que pode, a vida é injusta mesmo".
8. você olha pra a PCD e pensa: "Que pessoa legal", mas não pensa em se aproximar, fazer amizade, não se interessa porque, afinal, vocês não são iguais.
9. Você pressupõe que toda PCD conhece outras PCDs como ela. Minha cidade tem 600 mil habitantes, acreditem, não conheço todos os que não enxergam daqui.
10. Você sente pena, ou nem cogita que PCDs têm desejo sexual, vida afetiva, crushes, desilusões amorosas e etc.
11. Mas se você cogita que as PCDs têm vida afetiva/sexual, você não se cogita como um interesse possível para ela.
12. Ou mesmo, se você se cogita um interesse afetivo/sexual para uma PCD, nem passa pela sua cabeça a possibilidade de você corresponder a ela.
13. Na verdade, você até deseja que a PCD seja feliz e encontre alguem que a satisfaça sexual/afetivamente, mas só cogita que seja com outra PCD.
14. Daí, você conhece alguém sem deficiência que namora/casou com uma PCD. Sua estima pela pessoa sem deficiência aumenta, porque tem que ser muito boa gente pra se relacionar com uma PCD.
15. Você também pensa que a PCD é uma oportunidade ímpar que o parceiro sem deficiência tenha para um aprendizado de vida muito relevante, edificante, transformador.
16. você passa a se interessar afetivamente/sexualmente por PCDs porque quer ser transformado pela experiência milagrosa de amar alguém assim tão enjeitado, cuja vida é tão sacrificante.
17. Você até pensa que poderia gostar de transar com uma PCD, mas só no sentido de que a deficiência dela seria uma boa maneira de explorar um sexo menos apático do que os que você faz com pessoas sem deficiência.
18. Você namora/casou-se com uma PCD e se sente moralmente redimido por isso.
20. Você decide ter uma experiência sexual com uma PCD, ainda que com desejo, por pensar que ela não encontrará outra pessoa que queira transar com ela.
19. (pulei, gente, foi mal) Você não fala diretamente com a PCD, mas pergunta tudo a seu respeito para a pessoa sem deficiência que a está acompanhando.
21. Você fala com a PCD de modo infantilizador, no diminutivo, como se ela não entendesse orações coordenadas assindéticas, orações subordinadas objetivas indiretas e etc...
22. Você não confia na informação que a PCD lhe passou, finge que prestou atenção e vai confirmar com uma pessoa sem deficiência.
23. Você olha uma PCD adulta em espaços como escolas, institutos, cursos, etc. e automaticamente pressupõe que ela é aluna. Não cogita que possa ser uma professora, uma funcionária, ou mesmo a diretora do lugar.
24. Você até acha que sua funcionária PCD é competente, mas jamais passa pela sua cabeça oferecer a ela um cargo de chefia ou coordenação.
25. na verdade, você só contratou a PCD por causa da lei que te obriga.
26. você tem uma colega de trabalho PCD, mas nunca pede ajuda a ela, porque você não acha possível, inconscientemente, que ela saiba algo melhor que você.
27. Você se sente ofendido quando uma PCD parece dominar mais o seu ofício do que você.
28. você não se sente ofendido quando uma PCD parece dominar mais o seu ofício do que você. Na verdade, você acha o máximo. Mas não para pra pensar que ela tem que demonstrar o dobro de talento pra ganhar só metade do reconhecimento.
29. Se você tem uma chefe PCD, você não leva a sério, não respeita a hierarquia, não acredita na autoridade dela diante da sua função.
30. Você não dá serviço para sua funcionária PCD porque: 1. não acha que ela vai conseguir fazer; 2. ela não fará direito; 3. ela já tem muitos problemas na vida, deixa ela ali no cantinho.
31. você não tem nenhuma amizade com PCD, no máximo convive com alguém que tenha uma deficiência, mas mantém uma distãncia conveniente.
32. Você fez uma amiga PCD, mas não a convida pros rolês, pressupondo a falta de acessibilidade dos lugares.
33. você tem uma amiga PCD, mas não pensa em escolher lugares acessíveis pros seus rolês.
33. você tem uma amiga PCD, você vai pra um rolê que não tem acessibilidade, então você decide pela PCD que ela não vai querer ir mesmo, por isso, nem a convida.
34. você tem uma amiga PCD que não apresenta pra ninguém. É uma amizade super discreta e fora do meio.
35. Você tem uma amiga PCD, você a convida pra um rolê, ela vai, você automaticamente assume uma atitude de protetora da integridade, faz daquele rolê sua missão: nós temos que sobreviver.
37. (porque eu fiz dois 33) você tem uma amiga PCD e não acha que os problemas dela são tão importantes quanto os seus.
38. Você tem uma amiga PCD e você não conta nenhum de seus problemas pra ela, porque você acha que só os problemas dela são reais, afinal, ela é uma PCD.
39. Você conhece a amiga PCD de um amigo seu, você até a acha simpática, e tal. 1. você não se pensa em ser amiga dela também e 2. você adimira muito seu amigo sem deficiência que consegue fazer uma amizade assim tão bonita.
40. Você não convida seu amigo sem deficiência pros rolês porque certamente ele vai querer chamar aquela PCD amiga dele, e isso vai te obrigar a se preocupar com o rolê inteiro.
41. Você ocupa os lugares preferenciais só porque não tem ninguém usando.
42. Você não cede seu lugar na fila, afinal, já tem a fila preferencial.
43. Você se chateia em haver uma fila preferencial, afinal, todo mundo tem pressa hoje em dia, não é mesmo?
44. Você, se achando muito não-capacitista, acha que cotas pressupõem a incapacidade da PCD. Só não pensa que, sem cota, você não fez questão nenhuma de empregar uma PCD.
45. Você estacionou na vaga preferencial, porque era bem rapidinho e ninguém ia usar ela mesmo.
46. Você olhou para a PCD que estava passeando no mesmo shopping que você e se perguntou se ali era lugar pra ela.
46. Você acha que a lei de acessibilidade nos cinemas é perda de tempo, afinal, cegos, surdos e cadeirantes nuncam vão lá mesmo.
47. você acha que filme dublado é uma praga a ser eliminada, coisa de gente burra.
48. você acha que legenda só serve pra quem não gosta de filme dublado. Afinal, pessoas com deficiência auditiva não assistem filmes mesmo.
49. Você acha que não precisa ter representatividade no entretenimento.
50. Você acha lindos aqueles filmes motivadores de pessoas que, com muita força e garra, conseguem reverter a sua deficiênci.
51. Aliás, você acha que a razão final para a vida de toda PCD é reverter a sua deficiência.
52. Você adora os filmes em que os protagonistas com deficiências irreversíveis servem só pra te mostrar o quanto você não valoriza a sua própria vida perfeitinha de pessoa sem deficiência.
53. Você acha que passar a ter uma deficiência é o fim da aventura humana na terra, minha pequena Eva.
54. Você pensa que, se fosse você a ter uma deficiência, você se mataria.
55. Pior, você diz pra uma PCD que a adimira muito porque, se fosse você, você se mataria.
56. Você acha que toda PCD tem as mesmas necessidades. Você conclui que não são indivíduos, são um grupo homogêneo.
57. Inclusive, você vai até achar que toda PCD que ler essa lista vai concordar com todos os pontos.
58. Você nem leu até aqui, porque ficou muito bolado com algum ponto acima e preferiu não saber do resto.
59. Você tá achando todos os pontos maravilhosos, mas não vai mudar nenhuma atitude sua daqui em diante, porque você certamente não faz nada disso, não é mesmo?
60. Você tá muito nervoso com tudo que tá lendo, pensando que eu tô te cobrando pra mudar o mundo, e que tudo isso que eu tô dizendo é impossível de mudar.
61. Você me deu unfollow por causa dessa lista.
62. Você me seguiu por causa dessa lista, achando que eu só falo de Deficiência nesse perfil. Eu também falo de Harry Potter ;)
63. Você usa palavras como cego ou surdo para se referir e ofender pessoas que você julga serem ignorantes, burras, obtusas.
64. Você usa palavras como retardado ou mongol para se referir e ofender pessoas que você julga idiotas, sem pensamento, com algum atraso cognitivo.
65. Você usa o termo autista pra se referir e ofender pessoas que, ao contrário de você, não são tão extrovertidas.
66. Você usa o termo aleijado para se referir a pessoas com deficiência física.
67. Você acha que toda pessoa com deficiência visual é cega.
68. Você acha que toda pessoa com deficiência auditiva é surda.
69. você usa o termo equivocado e ofensivo "surdo-mudo". Isso não existe.
70. você usa o termo mudinho para se referir a pessoas que são surdas.
71. Você acha que a Libras, língua brasileira de sinais, é mímica.
72. você acha que todo mundo que sabe Libras é capaz de se comunicar com qualquer pessoa surda do mundo. Cada país tem sua própria língua de sinais.
74. (porque eu repeti o 46) você acha que toda pessoa cadeirante tem que não conseguir se levantar e fica revoltado se vê um cadeirante andando, pois acha que ele é um farsante.
75. Você acha que autismo é retardo mental.
76. Você acha que síndrome de down é deficiência mental.
77. Aliás, você acha que existe deficiência mental. Mas não existe. O que existe são doenças mentais. O que existem são deficiências cognitivas e psicossociais.
78. Você acha que deficiência é doença.
79. Você pensa que não dá pra ser feliz sendo uma pessoa com deficiência.
80. Você, bem intencionado que é, pensa que PCDs deveriam só estudar em escolas especiais para suas deficiências específicas.
82. Você acha que eu, que sou PCD, tenho a obrigação de te ensinar tudo isso.
83. você pensa que capacitismo é balela, afinal, numa floresta selvagem, ter uma deficiência é desvantagem. Darwin que o diga. Eu me pergunto em quantas florestas selvagens você já se perdeu.
84. Você chama de evolução biológgica aquilo que eu chamo de capacitismo.
85. Você acha que o mundo tá pior porque a medicina avançou a ponto de pessoas mais vulneráveis conseguirem sobreviver para se reproduzir.
86. No seu futuro utópico, não existem pessoas com conformações físicas diferentes.
87. Você pensa que o avanço da medicina deve ser em função de sanar todas as deficiências.
88. Você acha que existe um corpo normal de fato. você acha que normalidade existe. você acha que não corresponder a sua ideia de normalidade é anormal.
89. Quando eu digo que "corpo normal" é uma construção social, você ri condescendente de mim.
90. Você nunca parou pra pensar que o padrão de beleza vigente, além de racista e machista, também é capacitista.
91. Nunca passou pela sua cabeça que não há PCDs nas capas de revistas de beleza, nem femininas, nem masculinas.
92. Você achou aquele ensaio da Cléo Pires e do Paulinho Vilhena fingindo terem deficiência uma coisa super sensível, descolada, nada preconceituosa.
93. Você nunca brincou de ser o Professor Xavier, porque ele é cadeirante.
94. Mas você já brincou de ser o Shiryu de Dragão, porque ele só fica cego às vezes.
95. Você não oferece bebida alcóolica para PCDs adultas.
96. Você é uma PCD que se sente inferior às pessoas sem deficiência.
97. você é uma PCD que acha que as pessoas sem deficiência têm a obrigação de estar à sua disposição.
98. Você não quer ter um filho com deficiência.
99. você é pró-vida, mas se descobre que o feto vai nascer com alguma deficiência, o aborto passa a ser aceitável.
100. Você não pensa em adotar crianças com deficiência.
101. “Você tem um funcionário PCD mas nem passa pela sua cabeça buscar tecnologias assistivas para auxilia-lo nas suas atribuições
102. você pensa/fala: é PCD, mas é tão bonintinha.
103. você pensa/fala: É PCD, mas é tão inteligente.
104. você acha que pais de PCDs são seres iluminados que merecem o céu pelo seu sacrifício e abnegação.
105. Você acha razoável e justo que pais de PCDs que se fodam pra pagar mais caro pela mesma educação que seu filho sem deficiência vai ter.
106. Você acha um saco que a colega PCD da mesma turm do seu filho tá sempre atrapalhando os eventos da sua estrelinha magnífica.
107. Você é professor e fica indignado de receber uma aluna PCD na sua turma, afinal, VOCÊ NÃO FOI FORMADO PRA ISSO!
108. Você realmente não foi formado pra ensinar PCDs, mas isso não é culpa da sua aluna PCD.
109. você tá fazendo uma licenciatura e ri das disciplinas eletivas sobre educação especial. Porque você precisa poder dizer, depois, que não foi formado pra isso, não é mesmo?
110. Você aprova sua aluna PCD de qualquer jeito, pra não ter que lidar com isso.
111. Na sua cabeça, a pergunta está formulada dessa maneira: "Como LIDAR com uma PCD"?
112. Ao invés de pensar em como conviver com PCDs, você se pergunta como resolver esse problema que é ter uma PCD na sua rotina.
113. Você evita situações em que ficaria exposto a PCDs, porque não quer conviver com a sensação de pena que te dá olhar pra elas todo dia.
114. você só consegue sentir pena de PCDs.
115. Você, pra não sentir pena de PCDs, passa a olhar elas como heróis.
116. Não passa pela sua cabeça que PCDs são apenas pessoas diferentes de você.
117. é mais fácil pra você pensar e saber o que diria diante de um contato extraterreste do que de um contato com uma PCD.
118. Você acha o máximo uma PCD que usa o banheiro sozinha.
119. A PCD tem doutorado, mas você se adimira porque ela consegue preparar a própria comida.
120. A PCD tem doutorado, mas você pergunta, pra preencher a ficha, "até que série você fez?"
121. Você conhece uma PCD e já começa a pensar em como você vai tornar a vida dela mais fácil, no maior estilo "serei seu próprio jesus particular".
122. você é programador e não cogita que PCDs poderão querer usar seu aplicativo/site.
123. Em aplicativos de relacionamento, você deixa de conversar quando a pessoa revela que tem uma deficiência.
124. em aplicativos de relacionamento, quando a pessoa revela ter uma deficiência,, você a faz te dar uma aula sobre a deficiência dela.
125. Se você vê alguém afirmar que é pCD na Bio de algum app de relacionamento, você puxa conversa só pra saber como é a vida de PCD dela.
126. você acha que pode perguntar livremente sobre a deficiência da pessoa, como se não fossem fatos particulares da vida dela.
127. Você quer levar a PCD pra missa/culto/cerimônia/processo de cura, porque a divindade maior de sua religião será capaz de salvar nossas almas condenadas.
128. Você conhece uma PCD desprezível (sim, existem), e pensa aliviadamente que a deficiência dela é um tipo de justiça divina.
129. Você acha que não existem PCDs desprezíveis, ruins, mal intencionadas, mentirosas, embustes.
130. você acha que todas as PCDs são, de alguma forma, ruins, mal intencionadas, desprezíveis, mentirosas, embustes.
131. você sente nojo ao olhar para uma PCD.
132. Você sente nojo ao tocar numa PCD.
133. Você sente nojo ao imaginar uma relação sexual com uma PCD.
134. Você não deixa seus filhos brincarem com crianças com deficiência.
135. você age como se as deficiências fossem contagiosas.
137. Você acha que PCDs são seres iluminados com uma percepção ímpar e privilegiada da vida, que são capazes de extrair um sentido maior para a existência do que você sem deficiência.
138. Você acha linda a vida de seus vizinhos que têm deficiência, mas ao pensar em haver alguém com deficiência na sua família, você se arrepia.
139. Você não oferece o cardápio à PCD no restaurante. Só a pessoa que a está acompanhando.
140. Você não pergunta à PCD o que ela vai pedir, mas à pessoa que a está acompanhando.
141. você não pergunta se a PCD quer, você pressupõe que ela vai aceitar.
142. Você se espanta/deslumbra com uma PCD que está se divertindo no mesmo lugar que você.
143. Você acha que a PCD que está se divertindo no mesmo lugar que você não é PCD de verdade.
144. você zomba de um cego usando celular.
145. você zomba de um surdo ouvindo música.
146. Você zomba de um cadeirante dançando.
148. você zomba de pessoas com deficiência intelectual que estudam.
149. Você finge que tem uma deficiência para ser atendido logo.
150. Você chama PCDs de: especiais, exepcionais, deficientes, pessoas com necessidades especiais, portadores de deficiência. Tá tudo errado.
151. Corrigindo um ponto anterior: As cadeiras preferenciais são para todos, mas você finge que não vê quando uma PCD entra, pra não ter que ceder o lugar a ela.
152. Você percebe que tem gente no lugar preferencial, percebe que uma PCD entrou no recinto, percebe que estão fingindo para não ceder o lugar, e você não faz nada.
153. Você está sentado num lugar comum do ônibus, entra uma PCD, ou mesmo uma pessoa idosa ou grávida, você finge que está dormindo pra não ceder seu lugar.
154. Você nunca conviveu com uma PCD, mas ao se deparar com ela, acha que sabe melhor do que ela mesma o que ela quer, pra onde ela vai, como ajudar, você se sente o paladino da inclusão, mas nem deu ouvidos ao que ela tentou te falar.
155. Você trabalha com algo relacionado a acessibilidade, mas acha que sabe o que é melhor para as PCDs mais do que elas próprias.
156. Você não sabe o que é audiodescrição até porque você acha que gente cega não se interessa por filmes nem séries.
157. você acha cômico o cara na janelinha da propaganda política sinalizando em Libras, se perguntando como é que tem gente que faz isso em público e não tem vergonha.
158. Você apoia objetos ou mesmo se apoia na cadeira de rodas de alguém perto de você, afinal, uma cadeira de rodas é só um objeto. Dica: se cadeira de rodas fosse cabide, ela seria mais alta e NÃO TERIA RODAS!
159. Você acha que pode pegar a bengala de uma pessoa cega sem pedir licença.
160. Você fica parado, feito uma top model, em cima do piso tátil. Dica: aquilo é pra gente cega se orientar, elas não esperam que esteja alguém plantado em cima da faixa tátil, você vai receber uma bengalada e pode machucar pessoa.
161. Você até reconhece o problema da deficiência, mas profere a pior frase do mundo: "Todo mundo tem alguma deficiência, em algum nível". R: NÃO, CARALHO, MINHA CEGUEIRA NÃO É A MESMA COISA DO QUE SEUS 2 GRAUS DE MIOPIA!
162. Você não sabia o que era capacitismo, nunca tinha ouvido essa palavra na vida. E agora que sabe, preferia não ter descoberto, porque é mais um mimimi que as pessoas querem que você se preocupe.
163. você fala mais alto quando percebe que a pessoa é surda.
164. Você fala mais alto quando percebe que a pessoa é CEGA...
165. Você fala mais alto e mais pausadamente quando percebe que a pessoa tem alguma deficiência cognitiva.
166. Você fala encostando na pessoa que tem autismo, porque, afinal, a doença dela é falta de contato humano, não é mesmo?
167. Nos seus perfis públicos, nomes de úsuário, etc. você usa mil emojis e caractéres especiais, que atrapalham demais usuários cegos e seus leitores de tela.
168. Aliás, você nem sabe o que é um leitor de tela.
169. Aliás, você nunca nem descobriu que pessoas cegas usam computador e smartphones. Você no máximo achava que elas curtem muito rádio.
170. Você desconsidera que entre enxergar e não enxergar existe uma gradação. Ou seja, pra você, pessoas com baixa visão não são pessoas com deficiência visual de verdade.
171. Você acha uma perda de tempo pensar em acessibilidade pra sites e coisas na internet, porque você acha que dá mais trabalho e sai mais caro. Spoiler: você está equivocado porque nunca pesquisou sobre acessibilidade na web.
172. Você acha que o celular e o computador de pessoas cegas e surdas são máquinas feitas especificamente para elas, nas lojas de surdez e cegueira que existem. A gente compra o mesmo Samsung farofa que vocês, mores.
173. Você acha que só porque eu sou cego, eu vou gostar do Demolidor... (Se bem que eu adoro, mas eu sou só 01 cego)
174. Você nunca percebeu que, na ficção, quase todo personagem é acometido por uma deficiência como recurso narrativo pra ele aprender uma lição e sair redimido da narrativa.
175. Você não conhece figuras públicas com deficiência que são públicas por outro motivo que não seja a sua deficiência.
176. Você nunca percebeu que, na ficção, quase sempre o vilão que é acometido por uma deficiência está, dessa forma, sendo punido pela narrativa.
177. Você vai se espantar muito agora ao ler que eu sou gay. Porque, afinal, se já foi muito espantoso descobrir que PCD tem vida sexual, quem dirá descobrir que também tem PCD LGBT...
178. Você acha que PCD tem coisa melhor pra se preocupar do que pensar em transar.
179. Você olha pra uma pessoa cega sendo guiada por um vidente (pessoa que enxerga) na rua, e acha que a pessoa cega é a que está na frente.
180. Você acha que guiar uma pessoa cega é só puxar ela pelo braço e arrastar ela do ponto A ao ponto B.
181. Você, pra expressar algum tipo de reforço positivo, fala coisas do tipo: "Mas nem parece cego!"
182. "Por que bela, se coxa? Por que coxa, se bela?" Brás cubas sendo capacitista. Até isso o Machado já criticava, e vocês nesse atraso de vida.
183. Você olha pra uma PCD grávida e pensa: "quem terá sido o desgraçado que fez isso".
184. Você acha que PCDs não podem criar os próprios filhos.
185. aliás, você nem sabia que PCD podia ter filho!
186. você acha lindo um casal formado por uma PCD e uma pessoa sem deficiência. Mas um casal de duas PCDs é inviável, não tem como dar certo. Eles vão morrer na primeira semana morando sozinhos!
187. Você acha que a mulher com deficiência tem menos direito sobre o próprio corpo do que as mulheres sem deficiência.
188. Você não inclui mulheres com deficiência na sua luta contra o machismo.
189. Você não inclui pessoas negras com deficiência na luta contra o racismo.
190. Você não inclui LGBTs com deficiência na sua militância arco-íris. Será que não tá faltando uma cor aí, não?
191. Você acha que descrever as imagens que posta dá muito trabalho, perde muito tempo. Eu fico me perguntando o que você faz com esses 60 segundos a mais que vão sobrar no seu dia.
192. Você diz que não descreve as imagens que posta porque não sabe descrever direito.
193. Eu escrevo um texto que te ensina a descrever: 1. Você não lê; 2. Você curte pra fingir que leu; 3. de qualquer forma, você não começa mesmo a descrever.
194. Você passa uma semana, até duas, descrevendo as imagens que publica na internet, mas depois para...
195. Você começa a descrever as imagens que publica e chega pra mim todo empolgado: Sidney, depois que passei a descrever, eu comecei a não postar qualquer porcaria, só posto coisas que valem a pena descrever." Daí eu fico vendo só o que você acha que eu mereço ver.
196. Você faz um grupo na internet sobre acessibilidade, mas ninguém descreve fotos, ninguém traduz pra Libras. Você errou feio, errou rude.
197. você acha que a sua deficiência é mais importante que as outras.
198. você acha que só precisa se preocupar com a sua própria deficiência, cada um no seu quadrado.
199. A tag #PraCegoVer é capacitista, mas você não precisa concordar comigo. Mas se me perguntar, eu vou sugerir que você use outra pra sinalizar suas descrições nas redes sociais.
200. Você tá achando que eu sou a suma autoridade em deficiência e acessibilidade, que eu represento e falo por todas as PCDs. Não, a gente discorda muito, como em todo movimento de minorias representativas.
@paulloup04 @amerricanbeauty Vou tentar explicar aqui nas replies.
Desde já, peço que entendam que essa opinião é minha, e há discordâncias desse ponto de vista dentro da galera cega.
Pra mim, o primeiro problema é que ela é condescendente. As palavras não farão o cego ver a imagem descrita. Descrever é uma tradução. Usar essa associação, pra mim, é apelar para um sentimentalismo que infantiliza. E eu rejeito qualquer forma de infantilização.
Segundo, apesar de adorar a origem da tag, não posso deixar de pensar que ela foi concebida por uma pessoa sem deificência. E fica bem claro que é um olhar de pessoa sem deficiência sobre a PCD.
Se o projeto tivesse surgido a partir de uma pessoa cega, certamente a tag seria outra. Ou seja, eu também não abro mão do meu protagonismo na luta, e usar essa tag me faz sentir, de certa forma, que estou abrindo mão dele.
3o e último, eu prefiro alertar para a acessibilidade mais do que comover. Por isso que prefiro a tags que incluam o termo "acessivel", pois pensar em acessibilidade, pra mim, é mais eficaz do que comover fazendo com que videntes se sintam mágicos que nos devolvem a visão.
Ssei que tudo isso que expliquei pode soar como excesso de problematização tanto entre PCDs visuais quanto entre pessoas sem deficiência. E eu entendo, as pessoas têm o direito de pensar como quiserem nesse ponto. Mas nem sempre o caminho mais fácil leva ao melhor lugar.
201. Você fala para uma pessoa autista, querendo elogiar: "mas você nem parece autista."
202. Você se refere a pessoas sem deficiência usando o termo "normais". O que implica, necessariamente, que pessoas com deficiência são anormais.
203. Você é produtor de conteúdo, mas diz que não pode sse preocupar com acessibilidade agora, porque primeiro tem que formar o seu público. Dica, é piegas, mas é real: "construa e eles virão", não espere virem pra construir, tá ao contrário sua lógica.
204. Ao final do show, ao ter percebido que havia uma PCD lá também, você para, olha pra a pessoa sem deficiência que a está acompanhando e diz: "Parabéns".
205. você acha que, por ter uma filha, prima, irmã, ou parente muito próxima PCD, você entende tudo de deficiência e é impossível que você seja capacitista.
206. Você faz postagens sobre deficiência usando termos como "história de superação", "pessoas inspiradoras", "heróis da vida real", "exemplo de vida", "muita coragem e determinação", "força de vontade", etc.
207. Você adora ler e se sentir bem consigo mesmo lendo postagens sobre deficiência usando termos como "história de superação", "pessoas inspiradoras", "heróis da vida real", "exemplo de vida", "muita coragem e determinação", "força de vontade", etc.
208. você envia mensagens edificantes em imagens super enfeitadas ou áudios super emotivos para toda sua lista de contatos, sem se preocupar se os seus contatos cegos e surdos não vão saber o que estão recebendo.
209. Você acha que filas, vagas e lugares preferenciais para PCDs são privilégios. Deixa eu dar uma dica: qualquer pessoa pode ser uma PCD, amputa uma perna aí pra tu poder viver com tanto privilégio, amigão.
Missing some Tweet in this thread?
You can try to force a refresh.

Like this thread? Get email updates or save it to PDF!

Subscribe to sidney Andrade
Profile picture

Get real-time email alerts when new unrolls are available from this author!

This content may be removed anytime!

Twitter may remove this content at anytime, convert it as a PDF, save and print for later use!

Try unrolling a thread yourself!

how to unroll video

1) Follow Thread Reader App on Twitter so you can easily mention us!

2) Go to a Twitter thread (series of Tweets by the same owner) and mention us with a keyword "unroll" @threadreaderapp unroll

You can practice here first or read more on our help page!

Did Thread Reader help you today?

Support us! We are indie developers!


This site is made by just three indie developers on a laptop doing marketing, support and development! Read more about the story.

Become a Premium Member and get exclusive features!

Premium member ($30.00/year)

Too expensive? Make a small donation by buying us coffee ($5) or help with server cost ($10)

Donate via Paypal Become our Patreon

Thank you for your support!