, 19 tweets, 4 min read Read on Twitter
Há um bom debate a ser feito a respeito do jornalismo realizado no Brasil durante a Operação Lava Jato. Alguns colegas, com bons argumentos, afirmam que publicar documentos oficiais é tarefa do jornalista
Por esta perspectiva, delações, inquéritos e outros pedaços de investigação produzidos pela Polícia Federal e pelo Ministério Público Federal seriam objetos legítimos para o jornalista expor à sociedade
Na minha visão, trata-se de uma perspectiva um tanto superficial. Sim, é tarefa do jornalista publicar documentos oficiais, mas não sem fazer uma análise minimamente crítica do teor do documento e do contexto em que ele foi produzido
Me parece que a maior parte da cobertura da Lava Jato se deu nessa base: "Surgiu, o documento? Publique-se". Nesta toada, em alguma medida as redações se tornaram assessorias de imprensa, ou joguetes, de procuradores e juízes. Só que esses burocratas tinham uma agenda política
A agenda política era destruir o sistema político brasileiro. A simbiose Lava Jato-Jornalismo funcionou por meses porque havia um inimigo em comum: o PT. Quando o PT sai de cena (num processo completamente ilegítimo, diga-se), as cartas ficam embaralhadas
Após o impeachment, o bloco anti-PT começou a sofrer fissuras. Começaram a surgir preocupações a respeito da agenda política de procuradores e juízes e dos métodos heterodoxos da Lava Jato, que incluíam fazer justiça fora do sistema judiciário
Fazer justiça fora do Judiciário era um projeto da Lava Jato e de Moro. Eles queriam o apoio popular. Sabiam que, só por dentro do Judiciário, não avançariam. O Power Point de Deltan Dallagnol é um exemplo disso. O áudio do Bessias é outro
A respeito do áudio, lembremos: Moro mandou a PF parar as gravações no meio do prazo que havia concedido (coisa rara de um juiz fazer). Depois tornou público um áudio feito fora do prazo (ilegal) e que envolvia a presidente da República (inconstitucional). Foi aplaudido
Para verificar as fissuras no bloco anti-PT basta analisar os editoriais do Estadão e a postura do ministro do STF Gilmar Mendes. Ambos mudaram discursos e postura assim que o PT deixou o Planalto. A simbiose Lava Jato-Jornalismo beneficiou ambos no primeiro momento
Não à toa, o STF virou palco dessa briga. A corte está dividida entre ministros lavajateiros e ministro do sistema. Ali eles se digladiam para ver quem vai ficar com o espólio da derrubada do PT. O bolsonarismo foi um elemento que bagunçou o coreto ainda mais
Como notou a @mcfernandes nesta coluna, Lava Jato achou que o apoio a ela derivava apenas da ânsia anticorrupção. Mas boa parte do apoio era ânsia anticorrupção do PT. A Paulista, digo eu, ficou lotada por ódio de classe. Corrupção de Temer não importava
valor.com.br/politica/61648…
O governo Bolsonaro é a representação disso. Surfou na Lava Jato, na luta contra a corrupção e adentrou o sistema. É só acompanhar o noticiário para ver que este governo não tem na luta contra a corrupção uma de suas prioridades
O que chama atenção agora é que os "ministros do sistema" do STF (Toffoli, Alexandre de Moraes) adotaram métodos lavajateiros para lidar com os lavajateiros. O inquérito das "fakes news" é autoritário, assim como a censura à Crusoé e ao Antagonista
A matéria censurada é uma matéria estilo "cobertura da Lava Jato 2014". Pintou o documento e os jornalistas publicaram. Me parece evidente que a intenção da fonte (um procurador, suponho) era queimar Toffoli. E o site se propôs a fazer isso
Mas pior que esse tipo de jornalismo é a resposta de Toffoli e Alexandre de Moraes. Um inquérito autoritário e uma censura autoritária nada mais fazem que deslegitimar ainda mais o Supremo. Isso diante de um Executivo que promete acabar com a independência do Judiciário
Lembremos: Bolsonaro tem um plano chavista para o STF. Prometeu em 2018 ampliar o número de ministros (como Chávez em 2003). Neste ano, na reforma da Previdência, embutiu mecanismo p/ expurgar o STF. Aliada na Câmara propôs revogar a PEC da Bengala (que também culmina em expurgo)
Por anos, ao criticar a Lava Jato e a imprensa e alertar p/ ruína da democracia, muitos ouviram: "é petista, vai pra Cuba". Agora um populista autoritário governa, o Exército está em seu momento + forte desde a ditadura e ninguém acredita em nenhuma instituição. Estamos fudidos
Raquel Dodge, acertadamente, solicitou o arquivamento do inquérito arbitrário e autoritário inventado por Toffoli e Alexandre de Moraes. Os ministros do Supremo ignoraram ou rechaçaram a decisão. Estamos em meio a uma grave crise institucional g1.globo.com/politica/notic…
De um lado, o que são muito provavelmente procuradores lavajateiros tentam acossar o STF, enquanto pululam supostos interessados em delatar ministros. De outro, ministros adotam métodos lavajateiros ao cubo p/ eventualmente intimidar adversários. É uma guerra sem regras
Missing some Tweet in this thread?
You can try to force a refresh.

Like this thread? Get email updates or save it to PDF!

Subscribe to José Antonio Lima
Profile picture

Get real-time email alerts when new unrolls are available from this author!

This content may be removed anytime!

Twitter may remove this content at anytime, convert it as a PDF, save and print for later use!

Try unrolling a thread yourself!

how to unroll video

1) Follow Thread Reader App on Twitter so you can easily mention us!

2) Go to a Twitter thread (series of Tweets by the same owner) and mention us with a keyword "unroll" @threadreaderapp unroll

You can practice here first or read more on our help page!

Follow Us on Twitter!

Did Thread Reader help you today?

Support us! We are indie developers!


This site is made by just three indie developers on a laptop doing marketing, support and development! Read more about the story.

Become a Premium Member ($3.00/month or $30.00/year) and get exclusive features!

Become Premium

Too expensive? Make a small donation by buying us coffee ($5) or help with server cost ($10)

Donate via Paypal Become our Patreon

Thank you for your support!