THREAD - Mario Sergio Conti em porrada felpuda.

*Napoleão 3º derrota Trótski*

Jair Bolsonaro não erra. Apenas cumpre o que prometeu. É por isso que quando Fernando Henrique e José Padilha, que lavaram as mãos na eleição, se dizem de queixo caído, logo se
pensa em Diógenes, o filósofo cínico, ou em La Rochefoucauld, que explicou a hipocrisia.

Errar é confundir "fã" com "ídolo", como fez o presidente. É prescindir de vírgulas, como os Bolsonarinhos tuiteiros. É trocar Kafka por kafta e escrever "incitar" com s, como o ministro
Abraham Weintraub. É falar "conje" em vez de cônjuge, fina asneira da lavra de Sergio Moro.

São erros inócuos. Coisa muito diferente é atiçar uma ala do governo contra a outra. É baixar um ucasse e logo desdizê-lo. É afagar e sabotar o subalterno com
um abraço de urso. O presidente faz isso todo dia. A cizânia é seu método de fazer política.

O recurso à arruaça decorre da natureza do governo, que é bonapartista. Bolsonaro está mais próximo do segundo que do primeiro Napoleão; mais perto do Bonaparte sobrinho do que do tio.
O bonapartismo brasileiro nasceu no ano passado.

Dividida, a direita não conseguiu se unir. Já a prisão de Lula desorientou a esquerda, desmoralizada pela traição de Dilma e pela degeneração de dirigentes do PT. Aí surgiram no horizonte Jair Bonaparte e seu séquito de rufiões.
Seu governo atualiza essa crise. De um lado, ele usurpa a soberania popular, impedida de se expressar na eleição. De outro, é o aríete da santa aliança burguesa para anular bens e direitos que a soberania popular obteve no período anterior.

Em sendo assim, é da lógica de
Napoleão 3º se alçar acima das classes, incitando querelas abaixo dele. O surgimento de uma liderança, mesmo na copa e cozinha do Planalto, curto-circuita o seu poder. Bolsonaro Bonaparte é divisionista e diversionista porque precisa.

O apoio indubitável a ele vem do
lumpemproletariado —a charanga formada pela prole disléxica, pela malta miliciana, pelo restolho do baixo clero, pelo submundo blogueiro de ressentidos e ociosos de todo naipe. O crooner da patifaria se chama Olavo de Carvalho.

O cartomante boquirroto serve de
megafone e porrete para o belicoso clã Bolsonaro —o "sangue do meu sangue" com o qual o presidente não romperá nunca, conforme explicou. Quem ousa fazer fora do pinico se arrisca a levar uma tunda de perdigotos e palavrões pela proa.

Foi o que se deu na semana que
passou. Cada vez mais saidinha, a corporação verde-oliva deu para empinar o nariz para a grei Bolsonaro. Militares passaram a arrotar moderação, racionalidade e tolerância, a comer com talheres e —olha a audácia dos bofes— a se dizerem democratas.

Isca! Isca! Isca! açularam os
Bolsonaros. Aquele a quem chamam de Olavão caiu matando. Parecia um vira-latas doido, desses que saem latindo atrás dos carros, tentando morder pneus e escapamentos. Amuados, os milicos apelaram para o bom senso presidencial. Tolinhos.

Bonaparte em pessoa lhes
demonstrou o que é bonapartismo: manteria distância da quizumba porque não aceitava a tutela de ninguém, inclusive de seus ex-superiores. O capitão está acima dos generais porque foi votado.

Como Olavão continuasse a rosnar, a oficialidade ofendida
recorreu a seu chefe simbólico, Eduardo Villas Bôas, que até janeiro era comandante do Exército. Outro tiro n'água.

O general ficou conhecido fora da casernapelo tuíte que soltou quando o Supremo julgou um habeas corpus para Lula. Ele disse aos juízes para manter o
presidente na cadeia, senão... Galharda, a maioria do STF cedeu às reticências.

Bolsonaro nomeou Villas Bôas assessor de alguma coisa no Planalto, onde comanda uma escrivaninha. Na segunda-feira, ele disparou outra notinha rococó. Seu alvo ostensivo era o
cartomante. Mas o general instava o destinatário oculto, Bolsonaro, a se alinhar aos fardados.

Bonaparte fez sua famosa cara de peixe morto. Também, pudera: Villas Bôas chama o astrólogo de "Trótski da direita". Em matéria de samba do crioulo doido, deixou
Stanislaw Ponte Preta do chinelo.

Porque Trótski desenvolveu a tese da revolução permanente. Ela diz que, no século 20, uma revolução burguesa só chegaria à vitória se fosse socialista, como ocorreu de fevereiro a outubro de 1917. E a revolução só se consolida ao se
internacionalizar. O que isso tem a ver com Olavão et caterva é um mistério.Em contrapartida,Trótski foi também um grande teórico do bonapartismo,conceito criado por Marx em"O 18ºBrumário de Luís Bonaparte".Parece que ambos escrevem sobre o Brasil de hoje. Via Maringoni Gilberto
Missing some Tweet in this thread?
You can try to force a refresh.

Like this thread? Get email updates or save it to PDF!

Subscribe to 𝖂𝖆𝖌𝖓𝖊𝖗 𝕮𝖆𝖕𝖔 "God´s Not Dead, He´s Surely Alive"
Profile picture

Get real-time email alerts when new unrolls are available from this author!

This content may be removed anytime!

Twitter may remove this content at anytime, convert it as a PDF, save and print for later use!

Try unrolling a thread yourself!

how to unroll video

1) Follow Thread Reader App on Twitter so you can easily mention us!

2) Go to a Twitter thread (series of Tweets by the same owner) and mention us with a keyword "unroll" @threadreaderapp unroll

You can practice here first or read more on our help page!

Follow Us on Twitter!

Did Thread Reader help you today?

Support us! We are indie developers!


This site is made by just three indie developers on a laptop doing marketing, support and development! Read more about the story.

Become a Premium Member ($3.00/month or $30.00/year) and get exclusive features!

Become Premium

Too expensive? Make a small donation by buying us coffee ($5) or help with server cost ($10)

Donate via Paypal Become our Patreon

Thank you for your support!