Não queria escrever sobre isso, mas vi os números de hoje e enervam-me que sejam vistos como apenas números. Sempre lidamos com a morte mas agora são mais e mais frequentes.
Ontem faleceu mais um doente meu. Mas era mais do que isso. Era uma amigo. Meu amigo.Amigo dos meus pais.
Acolheu-me na sua casa. Fui de férias com ele e a família uma vez. Deu-me a conhecer Lisboa muito melhor do que conhecia até então. Foi com ele que fui a primeira vez ao Algarve. Uma jóia de pessoa. Que dava o que tinha e o que não tinha para ver os outros sorrir.
Tinha a idade do meu pai. E não tinha doenças, nem antecedentes, como o meu tem. Era pai e marido e avô de alguém. E hoje já não é. É um número.
Foram 3 semanas no hospital. Duas no meu serviço. Batalhamos, lutamos, mas chegamos a um momento que o saber e a experiência nos dizem que determinado desfecho é inevitável. Mais uma vez fazemos o que podemos nas últimas horas. A certeza de que não há sofrimento para o doente e o
tentar que o sofrimento seja o menor possível para a família. Mas se arrepia quando vemos alguém a olhar para o pai a última vez, parte o coração quando conhecemos tanto um como outro.
Orbigado a todos pelas palavras carinhosas. ♥️

• • •

Missing some Tweet in this thread? You can try to force a refresh
 

Keep Current with sangriaman

sangriaman Profile picture

Stay in touch and get notified when new unrolls are available from this author!

Read all threads

This Thread may be Removed Anytime!

PDF

Twitter may remove this content at anytime! Save it as PDF for later use!

Try unrolling a thread yourself!

how to unroll video
  1. Follow @ThreadReaderApp to mention us!

  2. From a Twitter thread mention us with a keyword "unroll"
@threadreaderapp unroll

Practice here first or read more on our help page!

More from @sangriaman

17 Nov 20
Deixem-me desabafar um bocadinho.

Ia fazer manhã, tive de fazer manhã/tarde, mas um colega teve de entrar mais cedo na noite, porque a minha esposa também foi fazer noite e eu tinha de estar em casa, para os putos não ficarem sozinhos.
De manhã parei os cuidados de higiene a um doente. E passei 3 ou 4 minutos abraçado a uma auxiliar. E não, não é dessa maneira. Estávamos a trabalhar e as lágrimas corriam-lhe pela cara abaixo. Difícil de perceber, porque ela escondia e a máscara, a viseira o fato, tudo esconde.
Todos andamos a precisar de um abraço. Tento muitas vezes confortar os meus colegas com um, mas também confirmar-me a mim próprio, porque também ando a precisar deles. Aquela jovem auxiliar, vai no 14° de 19 dias de trabalho sem folgas.
Read 13 tweets

Did Thread Reader help you today?

Support us! We are indie developers!


This site is made by just two indie developers on a laptop doing marketing, support and development! Read more about the story.

Become a Premium Member ($3/month or $30/year) and get exclusive features!

Become Premium

Too expensive? Make a small donation by buying us coffee ($5) or help with server cost ($10)

Donate via Paypal Become our Patreon

Thank you for your support!

Follow Us on Twitter!