Sobre bilionários, gestão empresarial e gestão pública: a calçada que se abre em Joinville, um Prefeito do Novo e lições a serem aprendidas. Segue o fio! 🧵
Um momento que era pra ser de alegria, após todo o inferno da pandemia, acabou se transformando em pesadelo no maior município catarinense. Na abertura do Natal 2021, uma calçada cedeu, jogando dezenas de pessoas para dentro do esgoto.
Para se entender como a tragédia aconteceu, precisamos remontar à eleição de 2008. Naquela eleição, o petista Carlito Merss foi eleito Prefeito. Num modelo lulista, logrou a vitória após diversas tentativas.
Sua gestão foi basicamente desastrosa, sem obras e constantemente sabotado pela elite joinvilense, encastelada na Acij e, na prática, dona da política local.
Ao término de seu mandato a Acij tomou uma decisão drástica: não usaria mais políticos como intermediários, modelo consagrado na época de Luiz Henrique da Silveira. Colocaria um dos seus diretamente no comando. E é assim que o bilionário Udo Döhler acaba vitorioso em 2012.
Döhler é um caso único: fiasco de críticas e sucesso de votos. Sua gestão foi criticada do 1º ao último dia. Sem sensibilidade social ou política, viveu encastelado no Gabinete. Msm assim, a força da própria máquina bilionária e da Prefeitura o reelegeu.
A coisa foi tão bizarra que por muito pouco Döhler, um Prefeito sem qualquer realização e que com diversos problemas de gestão foi cogitado seriamente como candidato a Governador do Estado em 2018. Esse é o poder da máquina dos empresários joinvilenses.
Após o desastre de Döhler, que inclusive ainda rende uma polêmica CPI do Rio Mathias, a elite joinvilense precisou se reinventar. E achou a solução no jovem Adriano Silva, herdeiro do império bilionário do Laboratório Catarinense.
Filiado ao Novo, Silva pôde fazer um discurso se dissociando do governo anterior da Acij e da elite joinvilense. Enfrentando um político tradicional no 2º turno, Darci de Matos, venceu ainda surfando a anti-política.
Seu governo é de continuidade do governo Döhler. Não a toa, os problemas são os mesmos: insensibilidade social, descaso com investimentos públicos e encastelamento em Gabinete. By the way, apoiadores de Udo tbm estão no Governo dele.
Voltemos à CPI das obras no Rio Mathias, que corta o centro de Joinville. Uma obra que se arrasta há anos, transformado o centro do município em lodaçal intransitável. Ela mencionava claramente a necessidade de inspeções em TODAS as galerias pluviais. cvj.sc.gov.br/home/47-comiss…
O problema é bem simples de entender: "contenção de despesas" (sempre em investimentos, nunca em cargos ou despesas pessoais). Algo bem comum na gestão privada. E que no setor público planta tragédias.
É a "contenção de despesas" que faz asfaltos com dois anos estarem desmanchando por falta de manutenção. É a "contenção de despesas" que faz prédios novos terem rachaduras. É a "contenção de despesas" que faz galerias se abrirem engolindo pessoas para dentro do esgoto.
Não bastasse a tragédia, Adriano Silva, o herdeiro bilionário, fez questão de deixar clara sua insensibilidade. Seguiu o evento como se nada estivesse acontecendo, enquanto joinvilenses tentavam não se afogar na merda.
É sádico. É cruel. É Novo. Que fique a lição: gestão privada é uma coisa. Gestão pública é outra. Ambas precisam de competência e seriedade. #FIM.

• • •

Missing some Tweet in this thread? You can try to force a refresh
 

Keep Current with Eduardo Bisotto🏳

Eduardo Bisotto🏳 Profile picture

Stay in touch and get notified when new unrolls are available from this author!

Read all threads

This Thread may be Removed Anytime!

PDF

Twitter may remove this content at anytime! Save it as PDF for later use!

Try unrolling a thread yourself!

how to unroll video
  1. Follow @ThreadReaderApp to mention us!

  2. From a Twitter thread mention us with a keyword "unroll"
@threadreaderapp unroll

Practice here first or read more on our help page!

More from @edubisotto

22 Nov
A QUEDA DO UNGIDO:

Uma thread rápida sobre Aécio Neves da Cunha, antes candidato a Salvador da Nação, reduzido a office-boy do bolsonarismo, mas ainda puxando algumas cordinhas de fantoches ainda mais repulsivos do que ele próprio. 🧵 Image
Aécio surge para a política com a eleição do avô, Tancredo, para o Governo de Minas Gerais. No velho patrimonialismo brasileiro, Tancredo arruma um emprego para que o neto problemático saia do Rio de Janeiro e deixe as más companhias. O próprio Aécio já falou sobre isso. Image
Aécio sempre foi um menino mimado da elite brasileira. Qndo esteve nos EUA, em um programa de intercâmbio, concedeu entrevista a um jornalzinho local contando sobre a vida no Brasil.
Read 28 tweets

Did Thread Reader help you today?

Support us! We are indie developers!


This site is made by just two indie developers on a laptop doing marketing, support and development! Read more about the story.

Become a Premium Member ($3/month or $30/year) and get exclusive features!

Become Premium

Too expensive? Make a small donation by buying us coffee ($5) or help with server cost ($10)

Donate via Paypal

Thank you for your support!

Follow Us on Twitter!

:(