Téo Benjamin Profile picture
13 Sep, 22 tweets, 6 min read
Coeso, intenso e sólido. Apesar de ter o melhor ataque e o artilheiro do campeonato, é na defesa que o líder vem se garantindo.

Hora de falar sobre o Inter de Coudet.
Mais uma vez, o campeonato é liderado por um treinador estrangeiro. Tendência que, se perdurar por algum tempo, pode fazer muito bem ao futebol brasileiro.

No campeonato mais atípico de todos os tempos (), é difícil fazer qualquer previsão, mas alguns padrões já começam a aparecer.

Todos os clubes foram afetados pela paralisação, mas nem todos foram afetados da mesma forma ou na mesma escala.
No geral, as primeiras rodadas do Brasileirão foram ruins. Os times pareciam bem abaixo do ideal tecnicamente, taticamente, fisicamente e mentalmente. Os jogos morriam no segundo tempo.

Mas o Inter de Coudet dava outra impressão...
Em inglês, "hit the ground running" significa, em tradução literal, "tocar o chão já correndo".

Parece ser exatamente o que aconteceu com o Inter. Enquanto todo mundo se preparava para a largada, o time já estava correndo. E correndo muito!
Nos primeiros jogos, a diferença de intensidade do Inter para os adversários era notável. O time corria mais, fazia mais ações e era muito mais eficiente.

(O único que se comparava em intensidade era o Atlético-MG de Sampaoli, mas esse é um assunto para outro post)
Com isso, a impressão não era tanto de um time refinado, que envolvia os adversários, mas de um rolo compressor que passava por cima.

E tudo começa pela defesa. O Inter se tornou um time que simplesmente não sofre lá atrás — e os números mostram isso.
Antes de mergulharmos (e vamos mergulhar profundamente) nos números, é importante fazer aquela ressalva de sempre: números são úteis no auxílio para entendermos padrões, mas não dão conta de tudo que acontece em um jogo de futebol.

É preciso usá-los com cuidado.
O Inter de Coudet é disparado o time que menos permite finalizações por jogo. Menos de sete chutes por jogo é uma coisa absurda. A bola simplesmente não chega a Marcelo Lomba.
Quando eu digo que não chega, podemos ir muito além das finalizações.

Falamos há algumas semanas sobre o FUNIL OFENSIVO, que divide o ataque do time em várias etapas para entender o que cada um faz bem e o que faz mal.

Podemos usar o mesmo conceito para montar um FUNIL DEFENSIVO. Ou seja, quanto o Inter permite de posse de bola aos adversários, quanto permite que eles progridam, qual volume de chutes, qualidade de chances e quanto eles conseguem converter.
Mas os números soltos não nos dizem muita coisa... A comparação com os outros 20 times é impressionante. Quanto menor o número, melhor. E o Inter é excelente em todos os aspectos! Vai "filtrando" os ataques adversários e, por isso, toma pouquíssimos gols.
Isso acontece porque o Inter é incansável na tentativa de quebrar a posse de bola do adversário constantemente.

Aqui, vemos quantas vezes o time faz a bola trocar de dono a cada minuto que não tem a bola. Quanto maior o número, significa que o jogo do adversário é mais picotado.
Ou seja, os adversários do Botafogo não só têm mais posse de bola que os do Inter, eles têm a posse de maneira mais contínua porque o alvinegro é um time mais "passivo" na marcação e não força essa quebra.
(*Um pequeno detalhe: quando eu digo "por minuto de posse de bola", estou normalizando todos os jogos como se todos tivessem 90 minutos de bola rolando. Não é exatamente "um minuto com a bola" na vida real, mas coloca todo mundo no mesmo parâmetro)
Ou seja, o Inter é um time chato de enfrentar. Fica mordendo o tempo todo. É o segundo que mais força erros de passe (o primeiro é o Atlético-MG) e o que mais faz faltas no campeonato.
E picotar o jogo com faltas realmente fazem parte do modelo de jogo. São pequenas faltas no meio-campo, longe do gol, as famosas "faltas táticas". Com isso, apesar de ser o time que mais faz faltas, o Inter é apenas o 9º em número de cartões.
Com isso — mas não apenas por isso —, o Inter de Coudet neutraliza completamente uma das maiores armas do futebol atual: o contra-ataque.

Com toda a intensidade pós-perda, os adversários simplesmente não conseguem finalizar esse tipo de jogada.
E assim, como um enxame de abelhas muito bem coordenado e com um preparo físico e mental acima dos demais, o Inter de Coudet não deixa os adversários jogarem. Se garante na defesa e parte para o ataque com segurança.
E aí entra um fator que não pode ser ignorado: o Inter abriu o placar em 8 dos 9 jogos até aqui. A única exceção foi contra o Bahia, no empate em 2x2.

Com a vantagem no placar, o time pode recuar um pouco mais, descansar com a bola e triturar sem ela.
E assim o Inter de Coudet segue firme. É difícil saber o que vai acontecer à frente, como o time vai reagir à maratona de jogos, ao verão, como as lesões podem atrapalhar e como pode se comportar em uma eventual sequência de jogos sem conseguir abrir o placar.
No futebol, não dá para ter certeza de nada. Em 2020, menos ainda. Por enquanto, podemos assistir um futebol coeso e encaixado, de muita estratégia e intensidade, que vem subindo o nível do campeonato!

• • •

Missing some Tweet in this thread? You can try to force a refresh
 

Keep Current with Téo Benjamin

Téo Benjamin Profile picture

Stay in touch and get notified when new unrolls are available from this author!

Read all threads

This Thread may be Removed Anytime!

PDF

Twitter may remove this content at anytime! Save it as PDF for later use!

Try unrolling a thread yourself!

how to unroll video
  1. Follow @ThreadReaderApp to mention us!

  2. From a Twitter thread mention us with a keyword "unroll"
@threadreaderapp unroll

Practice here first or read more on our help page!

More from @teofb

18 Sep
Um show de horrores. Deu tudo errado em para o Flamengo em Quito. O resultado assusta, mas o desempenho é o mais importante e, infelizmente, talvez assuste ainda mais.

O ótimo Del Valle se preparou para uma partida histórica e conseguiu seu objetivo.

Há muito a ser dito...
Como normalmente acontece nessas goleadas, há dois jogos dentro de um. Duas derrotas em uma.

Até o segundo gol, foi uma derrota futebolística. Depois do segundo gol, veio a derrota anímica: a vaca foi pro brejo e o time simplesmente desligou.
A segunda normalmente ganha mais destaque, até pelas circunstâncias e pelo placar final, mas a primeira é mais importante.

Quem vê os melhores momentos pode até achar que o IDV achou dois gols soltos e matou o jogo. Não é verdade. O Fla foi superado desde o primeiro minuto.
Read 27 tweets
14 Sep
Um jogo morno, um gramado péssimo, uma derrota decepcionante e uma lição: o futebol é o esporte de uma bola.

O Flamengo precisa jogar mais do que jogou, mas também precisa reencontrar a sua força mental.

Segue o fio...
O primeiro tempo foi mais chato do que horroroso.

O Flamengo mantinha seus dois pontas bem abertos e procurava o jogo por ali. Até os encontrava, mas a marcação dobrava, o gramado atrapalhava e a noite estava pouco inspirada…

Quando saía alguma coisa dali, o Ceará defendia bem a área e neutralizava o perigo. O sistema defensivo como um todo foi bem, mas Luiz Otávio e Tiago, os zagueiros alvinegros, fizeram um primeiro tempo de almanaque.
Read 18 tweets
12 Sep
Contra o Fluminense, o Flamengo manteve o 4-2-3-1 que havia jogado contra Bahia e Fortaleza. Agora, porém, usando três meias de verdade e Gabigol na frente.

Para dar certo, Domenec teve que mudar estruturalmente a forma de atacar.

Vamos destrinchar no fio...
O melhor exemplo está nos cruzamentos. Com a mudança na frente, o time cruzou menos. Foram 23 contra o Fortaleza e apenas 9 contra o Fluminense.

(Por incrível que pareça, cada plataforma contabiliza "cruzamentos" de uma maneira. Aqui estou usando os números do Instat)
Muito mais importante que isso, no entanto, foi o posicionamento na hora dos cruzamentos.

No primeiro tempo contra o Fortaleza, com Pedro na frente, o Flamengo atacava a área com pouquíssima gente e basicamente buscava o seu homem de referência.
Read 7 tweets
7 Sep
O Fortaleza criou suas melhores chances pelo lado esquerdo. Nos primeiros 25 minutos, três chegadas com perigo por ali.

Quem vê os melhores momentos até acha que Osvaldo passeou para cima de Isla, mas a história do jogo não foi bem assim...

Assim como contra o Bahia, o Flamengo subia a marcação para neutralizar a saída de bola do adversário...

Assim como contra o Bahia, a marcação-pressão do Flamengo forçava o chutão ().

Juntos, o goleiro e os zagueiros do Fortaleza tentaram 35 passes longos! Os do Flamengo tentaram 4.
Read 11 tweets
4 Sep
Flamengo e Bahia fizeram um jogo bem diferente da cara que o Campeonato Brasileiro tem assumido até aqui: muitos gols, poucas faltas e uma série de possibilidades. Golaços, falhas, coragem e vontade de jogar futebol.

Um jogo que valeu a pena assistir e vale a pena analisar...
O Flamengo atual ainda é um camaleão. Ainda tenta encontrar seu jogo e se adapta às circunstâncias.

Se o jogo contra o Santos fez muita gente lamentar que “viramos um time de contra-ataque na mão do Catalão”, contra o Bahia vimos a busca pelo domínio desde o primeiro minuto.
O primeiro recado: ainda é cedo para tirar muitas conclusões definitivas.

Muita gente tem feito afirmações categóricas. Coisas como “não abre mão disso”, “não faz mais aquilo”, “só joga assim”... Calma.

Até aqui, vimos muitos Flamengos diferentes, ainda buscando o jogo ideal.
Read 31 tweets
1 Sep
O Brasileirão vai esquentando e surge uma pergunta inevitável: onde estão os gols?

Algo vem acontecendo no futebol brasileiro — e não é de hoje. Algo grave e profundo. Aquela imagem do futebol alegre e ofensivo se esvai... Precisamos falar sobre isso.

Agora é a hora...
A Copa do Mundo de 1990 teve uma média de apenas 2,2 gols por jogo (guarde este número) e ficou famosa como o ápice de um processo que vinha transformando o futebol em um jogo mais cauteloso, estéril, negativo e defensivo. Em resumo, um jogo mais chato.
Com isso, a FIFA bateu o martelo em uma mudança estrutural na regra com o objetivo explícito da mudança era deixar o jogo mais dinâmico e divertido.

A partir de 1992, o goleiro não poderia mais pegar com as mãos uma bola recuada:
Read 22 tweets

Did Thread Reader help you today?

Support us! We are indie developers!


This site is made by just two indie developers on a laptop doing marketing, support and development! Read more about the story.

Become a Premium Member ($3/month or $30/year) and get exclusive features!

Become Premium

Too expensive? Make a small donation by buying us coffee ($5) or help with server cost ($10)

Donate via Paypal Become our Patreon

Thank you for your support!

Follow Us on Twitter!