@louverture1984 ótimas questões, Fernando. Quando terminar uma obrigação que tenho agora tento contribuir com o debate.
@louverture1984 cheguei. Então, @louverture1984, primeiro a questão da guerra. Se a gente for considerar desde o começo da guerra de resistência nacional anticolonial, estamos falando de um país que tem quase 100 anos de guerra ou estado de guerra de forma interrupta. Eu desconheço +
@louverture1984 qualquer estudo sociólogo que tenta entender e explicar isso em toda profundidade: como a guerra molda a dinâmica institucional da Coreia. E note, estamos falando de um país que teve todas as suas cidades destruídas pelos EUA e 30% da população exterminada. Outros países +
@louverture1984 como URSS, China ou Vietnã, mesmo sendo também devastados, conseguiram certa segurança geopolítica em algum momento e um clima de relativa paz para focar no seu desenvolvimento interno. Não é o caso da Coreia. É importante lembrar que o país tem, até hoje cerca de +
@louverture1984 40 mil soldados dos EUA e armas atômicas cercando o país. Existe, objetivamente, uma "mentalidade de bunker" na vida nacional. E essa situação tem muita razão de ser. A Coreia, ao contrário da China e Vietnã, não se integrou as cadeias globais do capitalismo, ação que +
@louverture1984 reduziu e muito, nos anos 80, 90 e 2000, a pressão militar e diplomática sobre esses países. E nesse ponto, de novo, não conheço um único estudo que busque refletir qual o impacto de 100 anos seguidos de guerra ou estado de guerra em um país. Se conhecer e me indicar, agradeço.
@louverture1984 Essa situação de guerra permanente se combina com uma modernização feita a toque de caixa também pelo prisma da guerra. É importante notar que países como o Japão tiveram décadas para realizar sua modernização. A Coreia, ao final da II Guerra, era essencialmente uma sociedade +
@louverture1984 "tradicional" (se quiser chamar de feudal, pode também) sobredeterminada pelo colonialismo japão. A Revolução Coreana foi, também, o nascimento da economia, política, direito e instituições modernas no país. Mas isso acontece, de novo, pelo prisma da guerra.
@louverture1984 Quais as consequências de uma transição de uma sociedade tradicional colonizada para a modernidade cercada por uma guerra, numa transição ultrarrápida, de menos de 10 anos? Eu, de novo, nunca vi um estudo que tentasse pensar isso. Nesse ponto, novamente, aceito recomendações.
@louverture1984 a forte presença familiar, a permanência de um tradicionalismo agudo, as noções de uma cultura militar muito fortes são pensadas nesse contexto, talvez único, e que é sobredeterminado por fugir de uma política de "grande potência" da URSS e ameaça dos EUA.
@louverture1984 Me incomoda, e muito é pouco, o acentuado traço tradicionalista na Coreia e essa visão muito próxima do que entendemos como religioso em torno de Kim Il-sung, mas é importante perceber que a Coreia nunca teve segurança geopolítica para qualquer movimento renovador de fôlego +
@louverture1984 basta lembrar que as mudanças na China quase provocaram uma "mudança de regime" no país ou a crise de Cuba nos anos 1990. Então, mesmo tenho incômodos parecidos com os seus (se pá, eu devo ter mais), eu preciso ver se com possibilidades de renovação, como isso se processa.
@louverture1984 aliado a isso, Kim Jong-Un representa sim uma mudança de linha, ainda que leve, na política da Coreia. Um foco menos militar, com maior destaque para padrões de consumo e níveis de vida e redução do papel das Forças Armadas em várias funções civis e áreas econômicas.
@louverture1984 O professor Paulo Visentini chama esse processo de "modernização sem mudança". Acho um nome interessante para o que acontece. Quanto as formulações de Exército primeiro e as críticas ao exército e não o povo como protagonista, nesse ponto, acho que existe uma confusão sua.
@louverture1984 Um erro de interpretação sobre como os coreanos percebem as Forças Armadas, a relação forças armadas + povo e o próprio enraizamento das forças armadas. Em geral, te diria o seguinte. A Coreia é um dos países mais cercados do mundo que convive com um bloqueio brutal e passa por +
@louverture1984 100 anos seguidos de guerra ou situação de guerra. Minha defesa do país não é tratá-lo como modelo de socialismo perfeito e nada próximo disso. Mas defender o país, sua soberania, combater as demonizações para que numa situação de paz, eles possam pensar seu caminho.
@louverture1984 Note, por exemplo, que nesse meu texto no blog da Boitempo eu não falo em momento nenhum que a Coreia é um exemplo de socialismo ou nada próximo disso, mas combato o discurso imperialista e suas simplificações num prisma internacionalista

blogdaboitempo.com.br/2019/05/29/sim…

• • •

Missing some Tweet in this thread? You can try to force a refresh
 

Keep Current with Jones Manoel

Jones Manoel Profile picture

Stay in touch and get notified when new unrolls are available from this author!

Read all threads

This Thread may be Removed Anytime!

PDF

Twitter may remove this content at anytime! Save it as PDF for later use!

Try unrolling a thread yourself!

how to unroll video
  1. Follow @ThreadReaderApp to mention us!

  2. From a Twitter thread mention us with a keyword "unroll"
@threadreaderapp unroll

Practice here first or read more on our help page!

More from @_makavelijones

20 Sep
Breve nota sobre a Revista Opera e o “silêncio”

André Ortega, através de nota (vou lincar no último storie), anuncia seu desligamento da Revista Opera e busca se defender das acusações. Como eu já disse várias vezes, não tô aqui para defender ou ser “advogado” do André, quem +
achar pertinente leia a nota dele com suas explicações no final desse fio. Dito isso, quero destacar 4 coisas que considero importante. Nas últimas 3 semanas, venho sendo atacado de todos os lados por liberais, conservadores, fascistas, MBL, reacionários, acadêmicos com ciúme e +
toda fauna de tudo de ruim e que não presta. Claro, recebi a solidariedade de muitas pessoas, mas outras, os mesmos que passaram os últimos dias com falas "comunista passa pano pra fascista", "Jones tá em silêncio porque é cúmplice", "qual o motivo do silêncio de Jones" e afins +
Read 35 tweets
15 Sep
O desmonte do Brasil e da Petrobras

Uma das notícias mais graves desse mês, perdida no mar de barbárie que vivemos no Brasil, é que o governo de Bolsonaro e Guedes (neopinochet) querem concentrar as ações da Petrobras no Rio e São Paulo. Já foram entregues +
infraestrutura logística, usinas térmicas, eólicas e de biocombustíveis, fábricas de fertilizantes e terminais de importação de gás natural líquido. A Petrobras está sendo desmontada e o complexo do petróleo e gás, destruído em ritmo acelerado.
O desmonte da Petrobras e sua concentração no Eixo Rio-SP vai, dentre outras coisas, a) aumentar as desigualdades regionais já gritantes; b) potencializar o desemprego e a redução de massa salarial, em particular no Nordeste; c) encarecer o custo de combustíveis e +
Read 4 tweets
13 Sep
Nota sociológica.

Acho plenamente válido debater a religião e as formas de ação política dos comunistas frente a "questão religiosa" no Brasil. Esse debate, entre nos nossos, precisa ser respeitoso por mais que se discorde eventualmente do camarada. Dito isso, duas coisas:
a - a reflexão filosófica sobre a religião, suas formas de consciência e até o interessante debate sobre a "prova ontológica" da existência do divino não podem esquecer uma dimensão prático-objetiva: quase 100% do povo trabalhador é religioso no Brasil.
Essa é a premissa do debate. Toda vez que você quiser debater religião, não importa que autor ou corrente filosófica siga ou sua opinião pessoal sobre ateísmo, lembre-se disso: quase 100% da nossa classe é religiosa. Nunca esqueça a práxis na reflexão teórica.
Read 12 tweets
10 Sep
Nota rápida.

O vídeo do Meteoro sobre o liberalismo ficou bom. Eles abordaram um tema, ainda que rapidamente, que deveríamos pensar melhor: o conflito das liberdades. Adam Smith dizia que num governo despótico seria mais fácil abolir a escravidão que em um país "livre".
A lógica é simples: em um país "livre", isto é, com regime constitucional, os órgãos representativos estavam nas mãos dos proprietários de escravos, e eles não aprovariam legislações contra seu interesse econômico. Já sobre um governo despótico, o fim da escravidão seria imposto.
Para Smith, a liberdade do proprietário de escravos era a não liberdade do escravo. E a negação da liberdade de muitos, seria a liberdade dos escravizados. O raciocínio sobre o conflito das liberdades foi muito desenvolvimento por Hegel e muito bem trabalhado por Domenico Losurdo
Read 4 tweets
8 Sep
@NPTO @marcosvlqueiroz @mgaldino Fala, meu caro. Antes de tudo, vamos falar sobre método ainda. O que as pessoas pesam de si mesmas, no geral, não tem importância. Você se considera democrata e apoiou a política de austeridade do Joaquim Levy que operou cortes brutais na saúde, assistência social +
@NPTO @marcosvlqueiroz @mgaldino seguro desemprego e afins. Política que acabou com a vida de milhares de brasileiros. Nem por isso eu considero que você gozou com cada pobre desempregado ou com cada trabalhador que se matou por causa da miséria. Inclusive, temos uma porrada de dados que apontam +
@NPTO @marcosvlqueiroz @mgaldino crescimento dos casos de suicídio, depressão, usa de medicamentos tarja preta e afins desde 2015. Dito isso, note, você pegou um twitter onde eu critico o sistema penal brasileiro e faço uma comparação de força retórica com o gulag. É o mesmo que você pegar a fala, por exemplo, +
Read 9 tweets
28 Aug
Teto de gastos - a armadilha da flexibilização

Camaradas, a EC-95, conhecida como PEC da MORTE ou teto de gastos é uma aberração jurídica e econômica, além de ser antidemocrática. Mas é outra coisa também: é INSUSTENTÁVEL. E quem desenhou o projeto sabia disso +
a ideia que já circula em vários meios da burguesia de "flexibilizar o teto" é uma armadilha. E as esquerdas precisam ficar atentas a isso. Muitos já estão falando em retirar o investimento do teto e deixar apenas custeio. Em 2018 eu gravei um vídeo chamando debatendo essa ideia+
chamado "As ideias perigosas de Ciro Gomes". Muita gente ficou puta por causa do vídeo. O que defendi, e sustento, é que falar de limite de custeio e deixar investimento livre, é uma armadilha neoliberal. Por qual motivo? Bem, todo investimento VIRA CUSTEIO. Acompanhe +
Read 10 tweets

Did Thread Reader help you today?

Support us! We are indie developers!


This site is made by just two indie developers on a laptop doing marketing, support and development! Read more about the story.

Become a Premium Member ($3/month or $30/year) and get exclusive features!

Become Premium

Too expensive? Make a small donation by buying us coffee ($5) or help with server cost ($10)

Donate via Paypal Become our Patreon

Thank you for your support!

Follow Us on Twitter!