Então vamos continuar falando sobre o Evola e seu pensamento. Vamos explorar a questão dos yugas e das castas do pensamento antiliberal, anticomunista e fascista do autor italiano foto de Evola preto e branc...
Evola advoga pela existência de um "mundo metafísico superior", isso junto com uma grande valorização de hierarquias e cultura hindu, levou Evola a apoiar sistemas de castas. Inclusive uma concepção do tempo como dividida em castas, ou Yugas
O primeiro Yuga é a Era de Ouro, Satya Yuga, governada pela "casta superior" de sacerdotes. A partir da “degenerações”, como chama Evola, a Era de Ouro dá lugar a outras Yugas.
A segunda Yuga, Tetrâ Yuga, seria o governo de militares, uma casta inferior a sacerdotes. A terceira Yuga, Dvâpara Yuga, seria o governo pela classe mercante, uma forma ainda mais “degenerada” de governo.
E, por fim, o Yuga atual, o Kali Yuga, o governo popular, uma era de trevas segundo Evola. Essa demonização de um governo popular revela o carácter profundamente antidemocrático do pensamento de Evola
Essa ideia de Yugas, porém, não é pensamento original de Evola, ele se utiliza de conceitos presentes no pensamento hindu para basear suas ideias antidemocráticas e elitistas.
O conceito de tempo de Evola, além de profundamente reacionário, é um conceito cíclico do tempo. Um Yuga invariavelmente sucederia o outro, a única coisa que alguém que vive num tempo de Kali Yuga pode fazer é sobreviver até a chegada da Satya Yuga, a Era de Ouro
Um exemplo de civilização que viveu a Era de Ouro, segundo Evola, é o Império Romano porque entendia o Império como uma “entidade metafísica”. O pensamento de Evola, então, frequentemente exalta esse período da história.
Essa valorização faz coro com a rememoração politicamente interessada que o governo fascista de Mussolini fazia também da época do Império Romano, de um passado idílico italiano
A segunda Yuga, Tetrâ Yuga, seria a Era Medieval, onde reis guerreiros governam.

Além disso, ele acreditava que mitos sobre esse período eram de grande importância, mais do que a historiografia, pelo seu poder de agitação sobre “as massas”
Pelo seu pensamento, “massas” são inferiores e precisam ser mobilizadas por coisas simples, como mitos. Como alguém que era próximo a Mussolini, Evola dava grande importância à centralidade de mitos para o fascismo italiano. Foto de Mussolini e Hitler ...
Essa valorização dos mitos no nazifascismo é mostrada por Garsha. O autor mostra como o medievalismo era central nos filmes e propagandas dos regimes, que se baseavam em reimaginar o passado
Assim como Evola reimaginava o Império Romano como uma “Era de Ouro” ou a período medieval como um período hierarquicamente superior ao período atual.
Outro autor que mostra a valorização do passado feito por regimes fascista é Lavansky, que mostra como a reimaginação do período medieval era feito na Itália fascista a partir de festivais, que celebravam um nacionalismo hereditário, nostálgico.
Pela valorização da hierarquia, Evola entendia valores igualitários como absurdos. Para ele, era necessário existir castas superiores, que seriam para proteção e liderança, e castas inferiores, que seriam os servos.
Essa valorização do sistema de casa é chamado por alguns autores de “racismo espiritual”. Evola criticava o “racismo pseudo-científico” do regime nazista, apesar de defender alianças entre o povo germânico e italiano
acreditava que a hierarquia social deveria ser a partir de valores espirituais, as castas.
Sheeran mostra como o ressurgimento do pensamento de Evola se deu na chamada “União da Nova Direita” na Itália em 1976 e liga esse ressurgimento a uma série de atentados violentos em 1980 pela Europa.
Segundo o autor, a mitologia da violência do neofascismo de 76 se dá pela justificativa que o pensamento evolista confere a esse tipo de ato.
A leitura desse autor por grupelhos neofascistas brasileiros é extremamente preocupante, considerando seu carácter altamente reacionário e antidemocrático fundo vermelho escrito em b...
Referência:

GARSHA, J - DICTATING THE PAST: THE CAPTURE OF MEDIEvALI5M IN NAZI CINEMATIC PROPAGANDA AND THE ROOTS OF THE HOLOCAUS
history.sfsu.edu/sites/default/…

Lasansky, D - Tableau and memory: The fascist revival of the medieval/renaissance festival in Italy
tandfonline.com/doi/abs/10.108…
Sheraan, T - Myth and Violence: The Fascism of Julius Evola and Alain de Benoist
jstor.org/stable/40970798
Fontes de extrema direita consultadas não serão referenciadas. Contamos com a sua compreensão

• • •

Missing some Tweet in this thread? You can try to force a refresh
 

Keep Current with Mapa do Ódio

Mapa do Ódio Profile picture

Stay in touch and get notified when new unrolls are available from this author!

Read all threads

This Thread may be Removed Anytime!

PDF

Twitter may remove this content at anytime! Save it as PDF for later use!

Try unrolling a thread yourself!

how to unroll video
  1. Follow @ThreadReaderApp to mention us!

  2. From a Twitter thread mention us with a keyword "unroll"
@threadreaderapp unroll

Practice here first or read more on our help page!

More from @MapaDoOdio

Jan 17
Dando uma breve pausa nas férias para deixar essa notícia, triste e necessária, com a professora @dias_adriana

g1.globo.com/fantastico/pod…
Vamos deixar alguns fios que podem ser de interesse para debater o assunto.

Primeiro, como ideologias neonazistas tentam reabilitar a sua ideologia
Depois, alguns grupos organizados neonazistas

Misanthropic Division

Read 8 tweets
Dec 16, 2021
Para falar de monarquismo no Brasil, precisamos falar da Tradição, Família e Propriedade (TFP) Foto de manifestação da TFP...
Luiz e Bertrand também pertenceram a uma organização civil de inspiração católica fundada na década de 60 por Plinio Corrêa de Oliveira conhecida como Tradição, Família e Propriedade (TFP).
Segundo Quadros, ambos mantinham laços estreitos com correntes conservadoras do catolicismo e não se contrapõem à corrente reversionista.
A TFP propagava 3 principais discursos: oposição à esquerda, denúncia da "instabilidade da república” e defesa de valores católicos.
Read 15 tweets
Nov 25, 2021
Vamos continuar o papo sobre a Atomwaffen (AWD), tendo em vista as recentes ações de neonazistas em São Paulo e a tentativa recente do grupo no Brasil.

Falaremos sobre a histórico de crimes desse grupo, que é recente mas tem muito BO na conta.

TW: assassinato (muitos) Propaganda da AWD colada em um poste. É um cartaz de fundo
Fundada em 2015 por um estadunidense num fórum neonazista, a AWD nunca foi um grupo regional. A facilidade de acesso ao fórum e aos textos do grupo, todos em inglês, caracterizaram o grupo como um grupo que atua através de células em rede transnacional. Print de um perfil do twitter da AWD. Nele, num tweet do gru
Em 2017, o fórum Iron March foi fechado e seu criador, Alexander Slavros, lançou um livro/manifesto direcionado a Alt-Right estadunidenses e neonazistas que coabitam esse ecossistema.
Read 23 tweets
Nov 23, 2021
Hoje vamos falar de um grupo que andou tentando recrutar brasileiros na internet, A Attomwaffen Diviosn (AWD)

brasil.elpais.com/brasil/2018/02…
Atomwaffen Division (AWD) é parte de uma constelação de grupos neonazista e aceleracionistas que foi fundada pelo estadunidense Brandon Russel em julho de 2015 no fórum neonazista Iron March.
O fórum Iron March, segundo o Southern Poverty Law Center, tem relação com mais de 100 assassinatos e era um porto seguro para neonazistas online se encontrarem e propagarem suas ideias.
Read 9 tweets
Nov 16, 2021
Estamos de volta com o Vale a Pena Ver de Novo dessa edição do #MuteNoOdio - Black Metal!
Começamos vendo a história do metal

Falamos da figura do Diabo no Black Metal

Read 6 tweets
Oct 26, 2021
Dando continuidade ao #MuteNoOdio edição Black Metal, vamos hoje falar da centralidade da figura do diabo na música e na sociabilidade da cena do Black Metal Cartaz do Mute no Ódio. Uma...
A figura do Diabo tem sido muito citada no meio do rock e tem bastante importância. Temas satânicos foram capazes de mudar a cena do rock entre 1960 e 1970, com sucessos como “Sympathy for The Devil” dos Rolling Stones no final da década de 60.
Na mesma época surge o Metal como um gênero musical próprio, caracterizado por baterias e baixos pesados, guitarras distorcidas e um estilo vocal transgressor e macabro, com gritos e grunhidos. Dentro do Metal surgiram mais subdivisões; trash, speed, doom, death e black metal.
Read 13 tweets

Did Thread Reader help you today?

Support us! We are indie developers!


This site is made by just two indie developers on a laptop doing marketing, support and development! Read more about the story.

Become a Premium Member ($3/month or $30/year) and get exclusive features!

Become Premium

Don't want to be a Premium member but still want to support us?

Make a small donation by buying us coffee ($5) or help with server cost ($10)

Donate via Paypal

Or Donate anonymously using crypto!

Ethereum

0xfe58350B80634f60Fa6Dc149a72b4DFbc17D341E copy

Bitcoin

3ATGMxNzCUFzxpMCHL5sWSt4DVtS8UqXpi copy

Thank you for your support!

Follow Us on Twitter!

:(