Liam Bourn Profile picture
Cidadão brasileiro. "Os homens não podem melhorar uma sociedade ateando fogo nela: precisam buscar suas antigas virtudes e trazê-las de volta à luz.“ R. Kirk
2 Mar
A BANALIDADE DO MAL.

Aos burocratas, empanzinados de sinopses jurídicas e PDFs de cursinhos preparatórios, coronéis e generais, acomodados com seus polpudos soldos mensais, estudar ciência política a fundo deveria ser pressuposto basilar para as suas carreiras tecnocráticas.
A Hannah Arendt classifica como BANALIDADE DO MAL o estado de espírito em que indivíduos, por força do destino, acabaram por servir ao governo totalitário, mesmo não tendo, de antemão, nenhuma simpatia à ideologia revolucionária nacional-socialista.
Porém, dado o amoral dever burocrático e aos caprichos carreristas, esses homens prestaram o seu serviço com zelo e eficiência profissional, de modo que, tanto antes como depois, jamais apresentaram traços antissemitas, sinais de caráter distorcido ou personalidade psicopática.
Read 4 tweets
22 Feb
O realista diz que o pensamento metonímico é o esquema mental, geralmente de burocratas e dogmáticos, de raciocinar tomando a parte do objeto (geralmente o conceito formal) como a representação do todo, sem inteligir a projeção dos seus efeitos materiais no campo da realidade.
O liberal geralmente é acometido desta condição. Como unidimensional, ele põe a economia como item primaz, talvez exclusivo, nas políticas de Governo. Um horizonte de consciência limitadíssimo. Sob as lentes abstratas das teorias formais, emite julgamentos simplistas e binários.
A decisão sobre a Petrobrás. Dando crédito às propostas de campanha, vide Guedes, quero acreditar que a medida do Bolsonaro não foi sem motivação ou fundamentada em algum rompante do nacional-desenvolvimentismo, mas motivada em protecionismo pontual, justo e necessário.
Read 6 tweets
22 Feb
Você é um IDIOTA ÚTIL!

O sinal inquestionável de uma personalidade frágil é o comportamento modista, em termos políticos, o idiota útil. Olha para si mesmo e perceba se seus conceitos, sobretudo o linguajar, mudaram, e mudam, radicalmente a depender do espírito do tempo.
Antes não falava em ser vegano, mas hoje fala. Antes não falava em "feminismo", mas hoje fala. Antes não falava em racismo estrutural, mas hoje fala. Antes não falava por jargões do tipo "democracia" e "ciência", mas hoje fala. Depois dizem que não são IDIOTAS ÚTEIS.
Os donos do mundo, os Robber Barons, financiando as ONGs, a indústria do entretenimento pop (filmes, séries e HQs), a mídia jornalística e os organismos internacionais (ONE-OEA), conduzem as vidas e estimulam os pensamentos das histriônicas personalidades dos IDIOTAS ÚTEIS.
Read 5 tweets
20 Feb
O @cleberneto certa feita fez uma live sob o título:

"Como não fiquei burro estudando para concurso!"

Não deixo de refletir sobre isso.

Estudar para concurso é uma fábrica de fundamentalismo na acepção de Voegelin. É notável o estado de fanatismo jurídico em concursandos.
Não só em concursandos, mas em juristas já investidos. São pessoas com sinais claros de alienação, que já não conseguem enxergar a realidade senão for através das lentes das teorias de gabinete que decoraram em sinopses e PDFs.
Voegelin diz em suma que o fundamentalismo é crer mais nas forças das teorias do que na solução adequada para o problema.

É o mesmo estado de um fanático religioso que tudo tende dar explicações espirituais para os fatos sociais, e quem não for do meio é desprovido de erudição.
Read 4 tweets
17 Jan
BRASIL - AMAZÔNIA - NARRATIVAS - CAPITAL GLOBAL - EUROPEUS

1. Digo, antes, que não falarei a imaturos ou a distraídos, nem a ideólogos. Os dois primeiros porque enxergam o mundo de modo impessoal e ingênuo; os outros, pior, de forma maniqueísta e sentimentalista. Falo a adultos.
2. Após a WWII, os EUA, a URSS, os europeus em recuperação e os bancos (famílias dinásticas) orquestraram meios burocráticos (ONU) para exercer o controle indireto sobre as nações em desenvolvimento, uma vez que os europeus perderam parte das suas colônias espalhadas pelo globo.
3. Os europeus perderam a condição de nações autossustentáveis. Os terceiro-mundistas, por sua vez, ainda poucos explorados territorialmente, superariam os antigos colonos (ora endividados) pelo curso natural do desenvolvimento econômico via exploração dos seus recursos naturais.
Read 31 tweets
14 Jan
Nos próximos anos, os globalistas e os europeus perseguirão o Brasil com narrativas para deixá-lo ajoelhado na condição de neocolonia.

- Gases de gado e o efeito estufa;
- Desmatamento na Amazônia e a produção de soja;
- Novo vírus e a Amazônia;
- Genocídio indígena e o garimpo.
O problema é o afegão médio e a sua mentalidade infantil maniqueísta. Crê em tudo que a Globo e a mídia internacional falam contra o Brasil, que é sempre errado, e os europeus, corretos. Dizem que os EUA cairão por autodestruição, o Brasil também cairá por complexo de vira-lata.
A destruição ocorrerá também por divisão social e corrupção, os mesmos males dos EUA. Para além disso, o Brasil é tomado por políticos, servidores e militares COVARDES, IDEOLOGIZADOS e EGOCÊNTRICOS. Estão mais preocupados com pessoalismos do que defender e agir pelo país.
Read 6 tweets
13 Jan
Hoje, a palavra "ciência" não passa de um chulo subterfúgio erístico usado tanto como argumentum ad auctoritatem quanto ad nauseam para revestir de inquestionabilidade as ordens autoritárias, causando impacto emocional (palavra-gatilho) e falsa intimidação intelectual no ouvinte.
Foi em nome da CIÊNCIA que Lombroso enquadrava os feios como criminosos; em nome da CIÊNCIA que Mengele diminuía os judeus e outras etnias como raças inferiores; em nome da CIÊNCIA que Rodrigues inferiorizava as mulheres; em nome da CIÊNCIA que Lapouge propagou o racialismo.
Como um bom inculto autoritário, negando as referências históricas, instrumentalizados por objetivos (geo)políticos e somado ao egocentrismo ideológico, charlatões se apoderaram do monopólio da ciência quando passaram a tagarelar a falácia positivista a cada minuto que falavam.
Read 5 tweets
13 Jan
Pensem comigo. Os EUA estão sob o comando, talvez, de um dos mais famigerados corruptos, cínicos e depravados políticos da história do país; sob a vice-presidência de uma radical esquerdista que só enxerga o próprio país sob a crítica sobre tudo que existe (dialética negativa).
Bem como, ambos estão com o Congresso nas mãos dos correligionários, de políticos velhos e novos que espelham as exatas duas personalidades. E soma-se a isso o fato de que estão com o apoio da Mídia e sedentos por revanchismo ideológico depois de quatro anos de conservadorismo.
Isto é, não obstante os tíbios conservadores da SCOTUS, é um excesso de poder que nunca fora visto, salvo engano, nos últimos cem anos do país. Os Democratas estarão sob uma atmosfera de alienação, libertinagem e fanatismo ideológico tremendo. Sabem o que tudo isso significa?
Read 5 tweets
12 Jan
Do Proletariado ao Identitarismo.

O proletariado já não era útil como a classe revolucionária, especialmente nos EUA, onde a economia o levou ao conforto da classe média. Neste cenário, Marcuse viu nas minorias o novo meio de promover a revolução contra o sistema capitalista.
Eis que surge a New Left. Movimentos revolucionários brotam e minam a ordem socioeconômica americana. Grupos violentos contra as instituições e subversivos contra valores morais nascem em todos os cantos dos EUA, a partir das décadas de 60, muitos sob a inteligência da KGB.
A tensão e a polarização da Cold War chega ao fim. E um pretenso período de paz, sem a ameaça da Terceira Guerra, recomeça. O capital privado de envergadura global passa a influir nas políticas internas e mundial através de agências internacionais, como o Banco Mundial e a ONU.
Read 11 tweets
12 Jan
A LINGUAGEM na política é fundamental. Os esquerdistas sabem trabalhá-la. O seu poder de manipulação é avassalador. Troca-se o mal pelo bem e o bem pelo mal pela LINGUAGEM e, pela repetição ad nauseam, as pessoas perdem a referência da realidade e do real conceito de verdade.
Exemplo. O Trump jamais emitiu declarações ou estabeleceu políticas contra negros ou etnias diversas pela simples condição física. Já Biden e cia sistematicamente atacam a "brancura" dos americanos. Isso infla e legitima o ódio de minorias contra a maioria de brancos americanos.
O Trump adota criteriosas regras no processo de imigração. Cinicamente, Biden e cia apelam ao populismo por meio de estereótipos identitários e acusam Trump de racista e fascista. Pela repetição, os sugestionáveis são facilmente seduzidos pela intensidade emocional das palavras.
Read 7 tweets
11 Jan
A humanidade do século XXI é moral, intelectual e emocionalmente pior do que do século passado. O mundo e o Brasil, sem retórica, estão dominados por homens e mulheres infantilizados e principalmente histéricos, condição mental que ocasiona toda a cegueira da realidade.
A maioria das pessoas, principalmente aquelas que deveriam guardar a mínima racionalidade e decoro, falo de autoridades públicas, revela-se assustadoramente imatura. Quando tudo não é culpa do político tal, é porque o outro político salvou o mundo. É inacreditável!
Não estou dizendo que não há responsabilidade em certos políticos e contenção da parte de outros. Há! Estou dizendo que há valores muito maiores do que simplesmente querer ganhar o debate. O maior valor é a autopreservação: o foco de corrigir o que deve ser corrigido de imediato.
Read 5 tweets
11 Jan
1. Obama foi quem retomou, politizou e inflamou o ambiente de revanchismo identitario. Aderiu políticas radicais contra a cultura religiosa americana, como impedir que falasse em Deus em funeral de soldado americano.
2. Isso gerou backlash social e engajamento conservador.
3. Sendo ou não conservador nato, o Trump capitalizou em cima disso. Se mostrou um grande líder e orador conservador. Ele quebrou a espiral, que vinha se avolumando desde o fim do Governo Reagan, e retomou a devida identidade nacional e o autopreservativo nacionalismo.
4. Aliás, os Democratas, em processo de subversão radical desde Jimmy Carter, retomado com Clinton e aperfeiçoado com Obama, encamparam o projeto internacionalista (imperialismo) americano, imiscuindo-se em países vários, não obstante acusado os nacionalistas daquilo que faziam.
Read 12 tweets
11 Jan
O maior instrumento bélico de um país tanto para defesa quanto para o ataque é a convicção de seus nacionais na empreitada, ainda que o adversário seja potencialmente superior ou inferior. O elemento humano sempre é uma pedra no meio do caminho ao projeto de defesa ou de ataque.
Dito isso, estou tentando entender a estratégia dos globalistas, enquanto indivíduos que se julgam supranacionais, para não se enforcarem com a própria corda. Como um projeto imperialista que estão encampado, quem vai ajudá-los nesta empreitada senão apenas humanos venais?
Ontem, ventilei a situação de Ben-Zvi e os míseros sete camaradas que, em 1907, dentro de um cafofo, resolveram iniciar a luta contra um dos maiores impérios da humanidade para fundar o Estado de Israel. Hoje, como os globalistas lutariam contra povos altamente nacionalistas?
Read 6 tweets
9 Jan
GEORGE ORWELL - O AMANTE DA LIBERDADE

1. O Orwell, antes de tudo, era um amante da liberdade. Nascido em um contexto europeu puritano, colonialista e totalitário, ele escreveu suas obras impelido por um exercício prognóstico ou hipotético segundo as mazelas políticas da época.
2. Orwell, apesar de ser um tradicionalista dos valores ingleses, ele se mostrou profundamente incomodado com o puritanismo da aristocracia inglesa e com o imperialismo britânico, principalmente depois que presenciou as ações colonialistas do seu Estado na região da Birmânia.
3. Os seus romances 1984 e Revolução dos Bichos (RDB), publicados na década de 40, têm como referência temática o regime totalitário de governo (comum à época em alguns países da Europa). As bases teóricas da política foram inspiradas nas ações do nazifascismo e do comunismo.
Read 11 tweets
9 Jan
O PCO faz papel do discurso dialético. No cenário dos anos 2000, enquanto a briga ficava entre PSDB e PT, o novo partido PSOL anunciava um discurso opositivo aos dois. Nem pauta marcusiana ele tinha de forma agressiva. Hoje, o PCO está atraindo a simpatia de conservadores.
Estou assustado vendo conservadores fazendo propaganda política gratuita do PCO, e, pior, inocentemente, achando que estão sendo engraçados. Enquanto evidenciam o nome do PCO no debate público à guisa de piada, o partido ganha capital político. A Esquerda sabe jogar e manipular.
Até alunos do Olavo estão caindo nesse estratagema óbvio. Os esquerdistas têm projeto de poder em nome de uma utopia que acreditam. Para isso, deliberadamente, mudam o discurso conforme a conveniência do cenário político. A diversidade de partidos de Esquerda é com este intuito.
Read 5 tweets
8 Jan
@opropriofaka Por egocentrismo ideológico, resistem não querer enxergar a realidade. Não há nada de tese conspiratória "Illuminati". A questão é muito simples. É simplesmente um movimento político-financeiro a favor de um OLIGOPÓLIO encampado pelos bilionários do mundo.
@opropriofaka A Nova Ordem Mundial é aquilo que se estuda no Direito Internacional como MONISMO JURÍDICO. O interesse de instaurá-la é para facilitar o trânsito burocrático, eliminando as barreiras das ordens internas, e para favorecer o CAPITALISMO DE ESTADO (oligopólio) das megacorporações.
@opropriofaka Semiletrados confundem GLOBALIZAÇÃO, uma mera conexão de negócios entre países do globo, com GLOBALISMO, que é um conceito exclusivamente político-normativo. É um movimento que visa que agências internacionais tenham primazia do poder (jurídico) de soberania sobre as nações.
Read 7 tweets
6 Jan
Acusa-se o esquerdista de geração Paulo Freire para justificar ora a estupidez, ora a obsessão crítica dele. A mentalidade freireana não é um ataque retórico, é uma realidade. Independentemente do nível escolar ou financeiro, o esquerdista é, às vezes, uma condição involuntária.
Veja um cidadão distraído da (geo)política. Por efeito manada, ele se comporta mais próximo da teoria crítica (dialética negativa), tornando-se, em tudo e para tudo, o razinza que complica situações e problematiza tradições, em vez de cultivar uma abordagem honesta e gentil.
Sendo mais específico. Mesmo um dito cristão que não deixa de ir à igreja, mas submetido ao freireanismo, ele sempre vai alimentar um má vontade fortíssima contra o político ou a autoridade pública cristã. Mesmo sendo um, por irracionalidade, acredita que ser cristão é algo ruim.
Read 4 tweets
27 Dec 20
O Brasil é a República da afetação burocrática, do fanatismo jurídico e do culto ao fingimento. Os donos do país são os juristas. A burocracia não é uma ficção que só existe porque a força estatal garante a sua existência. Esta lógica já foi investida a níveis imbecis.
Ou seja, o Estado existiria porque a burocracia permite. A situação é tão lunática que a soberania pode ser ameaçada, se o processo legislativo ou jurídico assim permitir. Há algo mais positivista do que isso? "Matei judeus porque a lei permitia.", disse um imbecil em Nuremberg.
Hoje, saiu-se da ameaça da existência à pessoa para a uma nação, claro, desde que a lei preveja a possibilidade. Não se precisa mais de uma campanha bélica ou invasão anfíbia de proporções normândicas; basta o estrangeiro recrutar os burocratas para se apoderar do país alheio.
Read 7 tweets
26 Dec 20
Depois da queda da URSS, nos primórdios dos anos 90, documentos secretos da KGB foram acessados livremente e descobriram que na década de 30 foi deflagrada pela agência soviética a Operação Neve, dentro do território americano e cujo palco era o âmago do Poder Público Federal.
Os soviéticos nada mais nada menos recrutaram Harry Dexter White, amigo próximo de Delano Roosevelt e alto funcionário do Tesouro, para que construísse uma situação burocrática, por meio de pareceres, e atingisse a relação dos EUA com o Império do Japão.
Era 1941, e os soviéticos estavam preocupados em lutar duas frentes de batalha, no leste contra o Japão e no oeste contra a Alemanha. Os EUA acabaram sustando as exportações de petróleo ao Japão. Deu certo. Reação japonesa: Guam-Pearl Harbor. O resto é história.
Read 4 tweets
8 Dec 20
Sobre os conservadores e os neoconservadores.

1. Há dois tipos de pessoas em todo espectro político. Há os que primam os valores e os objetivos acima dos partidos e indivíduos e há aqueles que cultuam partidos e indivíduos acima das ideias.
2. No âmbito do conservadorismo, o primeiro tipo acredita substancialmente que o país pode ter sucesso se aderir, em boa, calcada e sacudida medida, a coragem de fazer o certo, segundo os seus ideais, alguns tão preciosos e de caráter inegociável.
3. O segundo tipo não acredita nas ideias como o sul e norte de atuação, mas, testificados por atitudes irreflexivas, cultuam líderes políticos devido a seu magnetismo carismático. As ideias podem ter no princípio relevância ou guardar lugar secundário, mas não são prioridade.
Read 11 tweets
8 Dec 20
Tenho mais confiança na estabilidade moral e intelectual em um outrora ateu que se converteu ao cristianismo, em ex-comunista que se converteu ao conservadorismo do que em um beócio anódino que se diz conservador ou cristão por puro efeito da moda e senso de pertencimento.
É um critério eficaz! Simplesmente porque quem experienciou os valores doentios, provou dos frutos e entendeu os mecanismos de atuação do outro lado, conhece melhor do que ninguém a realidade posta à frente dos seus olhos e tem sensível conteúdo para transmiti-la.
Por outro lado, quem apenas se fecha no alto de sua jactância, julga-se muito justo, puro e sábio, na verdade, é quem está mais propenso à falha. Isso porque o homem não é perfeito, logo, sempre estará errado, em certa medida. Nesta autossuficiência, não dará azo à retificação.
Read 4 tweets