Rudá Ricci Profile picture
Sociólogo, trabalho com educação e gestão participativa. Presido o Instituto Cultiva

Jan 13, 9 tweets

Bom dia. É impressionante como as redes sociais abriram a jaula da agressividade. Não é um atributo de apenas uma força ideológica ou política. É um padrão. Farei um breve fio a respeito. Vamos lá:

1) A violência verbal e a tentativa de cancelamento diário que vigora nas redes sociais sugere um certo adoecimento e extrema insegurança que se espraia neste século XXI. Não é algo normal.

2) A intenção é desqualificar o outro. Não se trata de crítica, mas de um jorro de humilhação para gerar desconforto e exclusão. Para quem se expõe em lives e eventos virtuais, o clima tóxico é uma busca comum vinda de quem perdeu totalmente o autocontrole.

3) Tento compreender o que motiva alguém permanecer num evento virtual e atacar o tempo todo em chats. Fico com a impressão que é gente que fica à espreita para se autoafirmar a partir da desmoralização de quem está se expondo. Tentarei uma ou outra explicação a respeito.

4) Imagino que seja uma espécie de idolatria invertida. Uma dependência emocional com o objeto de sua fúria para poder se afirmar. Richard Sennett fala em "substituição idealizada", ou seja, o medo de ficar solto, de não ter um ponto de referência.

5) Sartre trabalhava a angústia advinda da liberdade: a responsabilidade de ser livre. A linguagem da rejeição é, assim, uma antecipação. E o foco no cancelamento tem o condão de sugerir uma força de quem cancela que, na prática, é pífia. São mais atos simbólicos.

6) Uso o termo cancelamento não como ato em si, mas como subjetividade. É comum o ataque nos chats (ou mesmo aqui no Twitter) ininterruptamente, sem que o agressor resolva abandonar a arena de ataque. Configura uma necessidade de agredir para se promover ou se afirmar.

7) Baumann analisou como a partir do final do século passado passamos a ter uma dupla personalidade: a física (off line) e a virtual (online). A virtual, muitas vezes, é uma construção imaginária, normalmente protegida por um avatar. Uma espécie de heterônimos de Fernando Pessoa

8) Nesse sentido, essa agressividade compulsiva que aparece nas redes sociais revela solidão e necessidade de autoafirmação. Para que ficar num ambiente ouvindo alguém que lhe incomoda? Para projetar sua intenção que não é ouvida no seu cotidiano. Como chegamos a esse ponto?

Share this Scrolly Tale with your friends.

A Scrolly Tale is a new way to read Twitter threads with a more visually immersive experience.
Discover more beautiful Scrolly Tales like this.

Keep scrolling