O assunto é Victor Hugo, também porque a miséria voltou ao Brasil com Bolsonaro, e só não é pior porque a oposição lutou pelo auxílio emergencial. Um dos romances mais grandiosos de Victor Hugo é "O homem que ri" (1869). A história do homem que foi mutilado por um rei (1)
e é obrigado a rir eternamente porque lhe cortaram a boca e o desfiguraram, é tão grandiosa que serviu de inspiração à criação bem mais tardia do Coringa, de cuja versão mais recente se aproxima muito. Na retórica de Victor Hugo, a sabedoria na maior parte das vezes aparece (2)
no discurso dos personagens, e não apenas na elaboração do narrador ou no fluxo de consciência do herói sofrido e abandonado a si mesmo. O mesmo acontece por exemplo no "Dom Quixote" de Cervantes. O discurso de Gwynplaine, o homem que ri, no parlamento de Londres, (3)
é um dos pontos altos da literatura universal em todos os tempos. Prepare seu coração:
“— O que eu vim fazer aqui? Vim ser terrível. Os senhores dizem que sou um monstro. Não, sou o povo. Sou uma exceção? Não, sou todo mundo. A exceção são os senhores. (4)
Os senhores são a quimera , e eu, a realidade. Sou o Homem. Sou o medonho Homem que Ri. Que ri do quê? Dos senhores. Dele mesmo. De tudo. O que é esse meu riso? É o crime dos senhores e é meu próprio suplício. Esse crime, eu lhes jogo na cara; esse suplício, eu lhes cuspo (5)
no rosto. Eu rio, e isso quer dizer: eu choro.  
Parou. As pessoas se calavam. As risadas continuavam, porém mais baixo, levando-o a acreditar que tornavam a prestar certa atenção. Respirou e prosseguiu: 
— Esse riso que está em meu rosto foi posto aí por um rei. Esse riso (6)
exprime a desolação universal. Esse riso significa ódio, silêncio forçado, raiva, desespero. Esse riso é um produto da tortura. Esse riso é um riso de violência. Se Satã tivesse esse riso, esse riso condenaria Deus. Mas o Eterno não se assemelha aos efêmeros; sendo o absoluto (7)
ele é justo; e Deus abomina o que fazem os reis. Ah! Os senhores me consideram uma exceção! Eu sou um símbolo. Ó imbecis todo-poderosos, abram seus olhos. Eu encarno tudo. Represento a humanidade tal qual foi feita por seus mestres. O homem é um mutilado. O que fizeram a mim (8)
fizeram ao gênero humano. Deformaram-lhe o direito, a justiça, a verdade, a razão, a inteligência, assim como deformaram meus olhos, narinas e orelhas; como a mim, puseram-lhe no coração um poço de cólera e sofrimento, e na face uma máscara de contentamento. Onde o dedo (9)
de Deus havia tocado, as garras do rei se cravaram.
Monstruosa sobreposição. Bispos, pares e príncipes, o povo é o profundo sofredor que ri por fora. Mylords, eu lhes digo, o povo sou eu. Hoje, os senhores o oprimem, hoje os senhores me vaiam. Mas o que está por vir (10)
é o sombrio degelo. O que era pedra se torna torrente. A aparência de solidez se dissolve. Um estalido, e está tudo acabado. Há de chegar a hora em que uma convulsão romperá sua opressão, que um rugido responderá a suas vaias. Essa hora já chegou — estavas lá, ó meu pai! —, (11)
essa hora de Deus chegou e se chamou República, e a derrubaram; mas ela há de voltar. Enquanto esperam, lembrem-se de que a sequência de reis armados com a espada foi rompida por Cromwell, armado com o machado. Estremeçam. Íntegras soluções estão surgindo, as unhas cortadas (12)
tornam a crescer, as línguas arrancadas voam e se transformam em línguas de fogo espalhadas no vento das trevas, urrando no infinito; os que têm fome mostram seus dentes ociosos; os paraísos construídos sobre os infernos se desestabilizam, as gentes sofrem, sofrem, sofrem, (13)
e o que está por cima despenca, e o que está por baixo se entreabre, a escuridão pede para ser luz, o danado contesta o eleito, é a chegada do povo, eu lhes digo, é a ascensão do homem, é o princípio do fim, é o rubro alvorecer da catástrofe; (14)
isso é o que há nesse riso do qual riem!
Londres é uma eterna festa. Pode ser. A Inglaterra, de ponta a ponta, é uma aclamação. Sim. Mas ouçam: tudo o que veem, sou eu. Os senhores têm suas festas, isso é meu riso; têm alegrias públicas, isso é meu riso; têm casamentos, (15)
consagrações e coroamentos, isso é meu riso; têm nascimentos de príncipes, isso é meu riso; têm o trovão acima de suas cabeças, isso é meu riso. 
Como suportar uma coisa dessas! As risadas recomeçaram, desta vez massacrantes. De todas as lavas que lança a boca humana, (16)
verdadeira cratera, a mais corrosiva é a alegria. Fazer mal alegremente: não há multidão que resista a esse contágio. Nem todas as execuções ocorrem na guilhotina, e os homens, uma vez reunidos, seja em uma assembleia, seja em uma aglomeração, sempre encontram em meio a eles,(17)
a postos, este carrasco: o sarcasmo. Nenhum suplício se compara ao do miserável risível. Era por esse suplício que Gwynplaine passava. A hilaridade caía sobre ele como apedrejamento e metralha. Ele era chocalho e espantalho, joão-bobo, alvo. Pulavam, gritavam bis, (18)
rolavam de rir. Sapateavam. Seguravam-se pelo colarinho. A majestade do local, a púrpura das togas, a discrição dos arminhos, a elegância das perucas, de nada valiam ali. Os Lordes riam, os bispos riam, os juízes riam.” (19 - fim)

• • •

Missing some Tweet in this thread? You can try to force a refresh
 

Keep Current with Marcelo Backes 🚩

Marcelo Backes 🚩 Profile picture

Stay in touch and get notified when new unrolls are available from this author!

Read all threads

This Thread may be Removed Anytime!

PDF

Twitter may remove this content at anytime! Save it as PDF for later use!

Try unrolling a thread yourself!

how to unroll video
  1. Follow @ThreadReaderApp to mention us!

  2. From a Twitter thread mention us with a keyword "unroll"
@threadreaderapp unroll

Practice here first or read more on our help page!

Did Thread Reader help you today?

Support us! We are indie developers!


This site is made by just two indie developers on a laptop doing marketing, support and development! Read more about the story.

Become a Premium Member ($3/month or $30/year) and get exclusive features!

Become Premium

Too expensive? Make a small donation by buying us coffee ($5) or help with server cost ($10)

Donate via Paypal Become our Patreon

Thank you for your support!

Follow Us on Twitter!