Ida a tribunal. Juíza assim que me vê grita: fique aí e mantenha-se em pé. Nem um sff nem um bom dia nem o raio. Disse delicadamente q esperava ouvir um sff. “Está implícito”.
- não, sr juíza, a boa educação nunca está implícita. É assim continuamos. E foi piorando
Nome e tal e a dada altura pergunta: morada. La disse. “Não é morada que consta nos autos.
- pois não deve ser porque eu não fui notificada. Foi a advogada da defesa que me ligou porque eu estava atrasada
- aliás, a senhora poderá observar com certeza que a notificado não me foi entregue porque eu não recebi nenhum aviso de recepção nem assinei coisa nenhuma
E por que está a morada errada?
- não faço ideia. É a morada que consta nos meus documentos. Portanto imagino que tenha sido incúria do tribunal
Sente-se. La me sentei. A dada altura, a imbecil diz (e isto é verdade) “descruze as pernas”. Ao que eu respondi: no dia em que a senhora mandar no meu corpo algo está muito errado. Portanto lamento mas não descruzo. Estou confortável assim e isso é importante.
Mas continua: a dada altura diz que eu não posso responder assim. Eu digo que se ela me diz como eu devo responder então que é escusado fazem-me perguntas. Ela responde que quem manda ali é ela e eu digo-lhe que não duvido mas que isso pouco me importa porque eu sou testemunha
E se me apetecer passar o depoimento à dizer “não ma lembro” posso fazê-lo. E era mais fácil e rápido para mim que tenho de ir tratar da minha filha. Portanto diga já o que quer ouvir - eu não direi, claro - que é para apressar isto.
Advogada da defesa é igualmente enxovalhada pela juíza. Que passa a vida a interromper: “já perguntou, já disse, cinja-se aos factos e bla bla”
Quando entra o advogado da IURD a imbecil desfaz-se em sorrisos. Aí o advogado pode perguntar o que quer como quer e já agora pode fazer apartes quando eu termino de responder.
Até que o procurador - o MP tinha arquivado o caso mas a IURD decidiu avançar com uma ação privada - diz à juíza que talvez fosse melhor explicar ao advogado da acusação que a testemunha é testemunha e não arguida e que está em tribunal para ser julgada
Juíza mete viola ao saco. Advogado da IURD tb. E eu pergunto se me posso ausentar que estou a precisar de comer. “Isso pode esperar”, diz a gaja. - não não pode. Não pode. Quem sabe se pode ou não sou eu. Portanto ou isto é rápido ou então eu vou embora.
Enfim, Estado/justiça/nação - 0, IURD - 1. Ainda assim o advogado que tentou batalhar me com datas levou com uma citação de Mark Twain “se contares a verdade nunca terás de te lembrar de nada”. A não ser datas, claro.
Ah, mas a senhora gorda não cantou ainda porque a juíza adiou o resto das audições. E prepara-se para não ouvir mais ninguém. Porque se eu chata, a Borges é muito pior. Temo pela juíza e pelo advogado da IURD

• • •

Missing some Tweet in this thread? You can try to force a refresh
 

Keep Current with Judite França

Judite França Profile picture

Stay in touch and get notified when new unrolls are available from this author!

Read all threads

This Thread may be Removed Anytime!

PDF

Twitter may remove this content at anytime! Save it as PDF for later use!

Try unrolling a thread yourself!

how to unroll video
  1. Follow @ThreadReaderApp to mention us!

  2. From a Twitter thread mention us with a keyword "unroll"
@threadreaderapp unroll

Practice here first or read more on our help page!

More from @juditefranca

16 Sep
Já debateram a história da Hortense Martins? 1000 euritos por falsificar documentos com o objetivo de enganar o erário sobre o facto de não estar em dedicação exclusiva no Parlamento, apesar de receber como tal? Ou já é old news e portanto estamos bem com isso?
Compensa portanto falsificar documentos. Por 1000 euros apenas pode ganhar-se bem mais do que isso.
Vou repetir: Hortense Martins falsificou um documento p poder dizer q já não era gestora de uma empresa em 2011, qd, na realidade se manteve em funções. Ao mesmo tempo era deputada em regime de exclusividade. E concorreu a subsídios comunitários p construção de hotéis. Não pode.
Read 4 tweets
8 Aug 19
Na minha inocência, achei eu que as notícias do "Expresso" que dão conta que houve uma mãe no processo da IURD não tinham sido levadas a sério por jornalistas encartados. Pelo povo não foram. Mas o povo é sábio e percebeu que não há justiça para pobres.
portanto, quando um colosso como a IURD te processa até à exaustão, tu, a dada altura, desistes. Isso é evidente, óbvio, para qualquer pobre. Que não tem dinheiro sequer para pagar 400€ de custas judiciais.
Ora, "Clara", confrontada com um processo por difamação, desistiu de tudo. Disse que assinou, que mentiu durante o tempo todo e que foi pressionada para mentir. Claro que agora, sim, mente. E só não vê quem não quer.
Read 19 tweets

Did Thread Reader help you today?

Support us! We are indie developers!


This site is made by just two indie developers on a laptop doing marketing, support and development! Read more about the story.

Become a Premium Member ($3/month or $30/year) and get exclusive features!

Become Premium

Too expensive? Make a small donation by buying us coffee ($5) or help with server cost ($10)

Donate via Paypal Become our Patreon

Thank you for your support!

Follow Us on Twitter!